SAÚDE

O que é mieloma múltiplo, causa da morte da jornalista Cristiana Lobo

Problemas ósseos são um dos sintomas frequentes da doença

Publicados

em

A jornalista Cristiana Lôbo morreu nessa quinta-feira (11) após lutar contra um câncer. O tipo da doença que causou a morte da profissional é o mieloma múltiplo, que ocorre em células do sangue chamadas plasmócitos, produzidas na medula óssea.

O mieloma múltiplo tem taxa de incidência de 7,8 novos casos a cada 100 mil habitantes. A idade média dos pacientes é de 65 anos. A doença é ocasionada a partir de uma alteração do DNA dos plasmócitos.

“Mieloma múltiplo é um tipo de neoplasia maligna, em que  há proliferação desordenada de uma célula do sangue, o plasmócito, que pode levar à anemia, alteração da função renal, hipercalcemia e lesões líticas nos ossos, com dores e fraturas patológicas”, diz a hematologista e integrante do Centro de Câncer de Brasília e do Hospital Universitário de Brasília (Cetro-HUB), Fernanda Queiroz Bastos.

Os sintomas mais frequentes são problemas ósseos, especialmente nas costas, quadris e crânio; baixas taxas de glóbulos vermelhos, brancos e plaquetas no sangue, o que pode causar fraqueza e tontura e maiores níveis de cálcio, gerando insuficiência renal e impactos no sistema nervoso, como dor intensa, dormência e fraqueza nos músculos.

Leia Também:  Nova variante da Covid, potencialmente mais transmissível, é detectada na África do Sul

O mieloma múltiplo também pode atrapalhar o fluxo do sangue para o cérebro, causando confusão, tontura e sintomas de um AVC. A doença pode prejudicar os rins, ocasionando até mesmo uma falha desses órgãos.

Segundo o biólogo Fabiano de Abreu, isso ocorre porque as células cancerígenas se multiplicam de forma desordenada e geram impactos prejudiciais ao funcionamento de diversas partes do organismo.

“O excesso de proteínas que vem acompanhado dessa multiplicação celular suprime o desenvolvimento de outros elementos importantes para o organismo como os glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas (partículas semelhantes a células que ajudam o corpo a formar coágulos). Tudo isso ainda vai afetar a produção de anticorpos de defesa normais, que fica reduzida”, explica.

Segundo a Sociedade Estadunidense de Câncer, é difícil diagnosticar o mieloma múltiplo de forma precoce. Isso porque muitos sintomas podem aparecer somente quando o câncer já está em estágio avançado.

Uma das formas de fazer o diagnóstico do mieloma múltiplo é por meio de exames de imagem, como radiografia óssea, tomografia computadorizada, tomografia por emissão de pósitrons, ressonância magnética e ecocardiograma.

Leia Também:  Grupo Onça Pintada realiza atendimentos em Selvíria

Outras alternativas para o diagnóstico são os exames de laboratório, como o hemograma (que mede o nível dos glóbulos vermelhos), a bioquímica sanguínea (que mensura os níveis de creatinina, albumina e cálcio no sangue), e o exame de urina.

Evitar a exposição a materiais químicos e tóxicos é um dos cuidados para prevenir esse tipo de câncer.

Entre os tratamentos estão terapias para problemas causados pelo mieloma múltiplo, como fraturas no osso, infecções e insuficiência renal. Também são terapias, assim como em outros tipos de câncer, a quimioterapia e o transplante de medula óssea.

“Algumas vezes, quando há lesão em coluna, com compressão neural, pode ser necessário cirurgia ou radioterapia de urgência”, complementa a hematologista Fernanda Queiroz.

Edição: Graça Adjuto

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

OMS identifica nova variante da Covid-19 na África do Sul e coloca Brasil em alerta

OMS identifica nova variante da Covid-19 na África do Sul e coloca Brasil em alerta

Publicados

em

Profissionais da saúde de Cuba auxiliam atendimento à Covid-19 na África do Sul em abril de 2020 (Foto: South Africa Goverment/Elmond Jiyane)

Especialistas da OMS (Organização Mundial da Saúde) estão reunidos nesta sexta-feira (26) na sede da entidade, em Genebra, para avaliar o índice de gravidade de uma nova variante da Covid-19, identificada na África do Sul e classificada como B.1.1.529, ou Ômicron.

Estudos preliminares já confirmam que esta variante do coronavírus tem um número muito maior de mutações que as outras, mas a OMS afirma que ainda são necessárias algumas semanas para se entender o impacto dessa variante.

Os pesquisadores querem compreender qual o potencial de transmissão e o impacto nos diagnósticos, tratamentos e até mesmo se as vacinas disponíveis oferecem proteção. Após o encontro dos especialistas, a OMS informou que a variante será classificada como “variante de preocupação” em vez de “variante de interesse”, que seria uma classificação menos alarmante.

Desde já, a União Europeia (UE) tem pedido a suspensão imediata de todo o tráfego aéreo para países do sul da África. No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recomendou restrições de voos e de viajantes vindos de nações do continente africano, incluindo África do Sul, Botsuana, Lesoto, Namíbia e Zimbábue.

Leia Também:  Proibição a voos de 6 países africanos para o Brasil começa hoje

Mas a OMS recomenda cautela e medidas de restrição de viagens apenas baseadas em riscos e em estudos científicos. A agência da ONU lembra à população mundial a importância de continuar utilizando máscaras, evitar aglomerações e de higienizar as mãos sempre que possível.

Um novo levantamento da OMT (Organização Mundial do Turismo) mostra que 46 países ainda estão totalmente fechados aos turistas; em 55%, as fronteiras estão parcialmente fechadas e para entrar em 112 destinos, os viajantes são obrigados a apresentar um teste negativo de Covid-19.

Em relação ao acesso às vacinas, a OMS informa que apenas 27% dos trabalhadores de saúde da África, ou um entre quatro, estão completamente vacinados contra o coronavírus.

Com isso, a maioria dos profissionais do continente africano na linha de frente do combate à doença continuam desprotegidos.

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA