SAÚDE

Mulheres de 45 e 47 anos estão entre as 27 mortes das últimas 24 horas por Covid-19 em MS

Publicados

em

Mato Grosso do Sul teve mais 1.311 casos confirmados e 27 óbitos por Covid-19 nas últimas 24 horas. Entre as novas vítimas estão duas corumbaenses, de 45 e 47 anos, que não resistiram ao coronavírus. A primeira tinha diabetes. A outra, hipertensão.

Corumbá teve cinco mortes pela doença. Campo Grande registrou 11. Dourados, quatro; e Maracaju, três. Amambai, Bataguassu, Ladário e Naviraí contabilizaram mais uma morte, cada.

Dos 2.486 óbitos pela Covid-19 no Estado, 44,4% são mulheres, 96% têm mais de 40 anos e 86% tinham alguma comorbidade como doença cardiovascular, diabetes, hipertensão e obesidade, entre outras.

As informações estão no boletim divulgado nesta quinta-feira (7) pela Secretaria de Estado de Saúde. Desde o início da pandemia, Mato Grosso do Sul acumula 140.463 casos confirmados e 2.486 mortes, 115 delas nos primeiros sete dias deste ano. E esses números ainda podem aumentar já que 6.571 casos aguardam encerramento pelos municípios.

Cumprem isolamento domiciliar, 12.562 pessoas contaminadas. Outras 576 estão hospitalizadas – 286 em leitos clínicos e 287 em UTIs. Na macrorregião de Campo Grande, a ocupação de leitos é de 89%; em Dourados, de 81%; e em Corumbá, de 75%.

Leia Também:  Vítimas de tarados, 480 mulheres de MS foram alvo de atos obscenos e importunações sexuais em 2020

Em todo o país, 7.867.156 de pessoas foram contaminadas e 198.657 perderam a vida. Confira o boletim completo aqui.

Paulo Fernandes, Subcom

Foto: Saul Schramm

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Janeiro Branco e os cuidados com saúde emocional em meio a uma pandemia

Publicados

em

A campanha Janeiro Branco reforça a importância dos cuidados com as questões e necessidades relacionadas a saúde mental e emocional. A escolha do primeiro mês do ano simboliza o período em que as pessoas repensam suas vidas e traçam metas que desejam colocar em prática nos meses subsequentes.

Em 2021 a iniciativa ganha uma relevância ainda maior no processo de conscientização sobre as doenças psicológicas, pois a Covid-19 modificou a rotina da população e consequentemente impôs a necessidade de adaptações para lidar com o novo normal.

“A pandemia trouxe uma nova realidade que não estávamos habituados a lidar de forma consciente, a vida e a morte, psiquicamente sentimos o impacto de lidar com questões emocionais dessa ordem do imprevisto, da sensação de impotência diante de acontecimentos externos que não estão no nosso controle, causando em algumas pessoas crises agudas de ansiedade; pânico; angústia; medo da perda; da morte; do desamparo, o quais também podem provocar manifestações psicossomáticas com características dos sintomas da Covid-19”, explica a psicóloga de orientação junguiana Gabriela Molento.

Na avaliação da profissional a situação atípica vem afetando de alguma forma a saúde emocional de todo ser humano e é preciso ficar atento e se necessário buscar auxílio de um profissional da psicologia.

Leia Também:  MS tem sábado de céu encoberto com temperatura máxima de 30°C

“As crianças estão sendo afetadas no desenvolvimento do aprendizado, na educação, na socialização, na relação com os pais ou pessoas próximas a elas devido também estarem passando por um processo novo e desconhecido, por serem dependentes emocionalmente de um responsável, precisam ser orientadas com maior atenção pelos adultos. Os adultos também estão sendo afetados em suas vidas profissionais, financeiras, afetivas, na sua relação com o sentido da própria vida. Os idosos estão restritos e limitados em sua liberdade de ir e vir, de desfrutar momentos sociais e com seus familiares. Ou seja, de alguma forma ou de outra todos estão em um momento novo que acaba gerando crises e frustrações que podem nos levar tanto ao crescimento como ao adoecimento”.

O cenário é bastante desafiador para a mente humana e possui ingredientes propícios para o sofrimento psicológico. Se antes da pandemia a Organização Mundial de Saúde (OMS) já apontava o Brasil como o país mais ansioso (18 milhões) e o quinto mais depressivo (11 milhões) do mundo, a herança emocional da doença já preocupa.

O sofrimento prolongado é um sinal da necessidade de buscar ajuda profissional. “Infelizmente a nossa sociedade sempre seguiu uma cultura que prega o sofrimento como frescura ou associa a uma falta de ocupação. Porém essa situação da Covid-19 nos obriga a repensar socialmente de forma diferente, ampliando a realidade da vida prática para a realidade da vida dos sentidos, das emoções, a qual nos traz a consciência de que somos vulneráveis, frágeis e finitos”, destaca.

Leia Também:  Pescadores encontram corpo concretado dentro de tambor em córrego de Ponta Porã

O autoconhecimento é fundamental para manter o equilíbrio entre a saúde emocional e o novo normal imposto pela pandemia da Covid-19. “É preciso estar aberto e disposto a olhar para si mesmo, enxergar o modo que se vivencia as próprias emoções e frustrações, perceber como você está agindo em relação às adversidades que a vida lhe impõe. Através da aceitação dessas percepções, por mais dolorosas que sejam, aprendemos a refletir, a nos acolher, deixamos de agir de forma impulsiva e explosiva, desenvolvemos a famosa capacidade de resiliência”, afirma Gabriela Molento.

Bons hábitos na rotina também podem contribuir para os cuidados com a saúde do corpo e da mente: realizar atividades físicas; reforçar laços de amizade; dormir um sono reparador; cultivar pensamentos positivos; e manter uma alimentação saudável estão entre as recomendações de especialistas.

Mireli Obando, Subcom

Foto: Marcelo Camargo – Agência Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA