SAÚDE

MS tem centro para monitoramento em caso de manifestação do vírus Chapare, informa SES

No entanto, Saúde diz que circulação do vírus ocorreu em 2019 e não há risco de transmissão na fronteira

Publicados

em

Controle boliviano na fronteira com Corumbá. (Foto: Arquivo)

Diante da descoberta de evidências da transmissão entre humanos do vírus Chapare na , a SES (Secretaria de Estado de Saúde) informou que tem um centro onde é feito o monitoramento, em caso de manifestação da doença. O centro informou a cidade de Corumbá para ficar atenta a possíveis casos suspeitos. A secretaria ressalta que não foram registrados casos da doença neste ano, por isso não há riscos de transmissão nos municípios que fazem fronteira com o país vizinho.

A secretaria explica que recebeu um comunicado do Ministério da Saúde informando sobre o estudo em que os cientistas descobriram o vírus Chapare, que pode ser transmitido entre humanos, após registros na  no ano passado. A SES reforça que foram somente cinco casos registrados no ano passado e não houve registro da doença no Brasil.

O comunicado sobre o estudo foi feito ao CIEVS (Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde), que detecta, avalia e monitora informações sobre a prática de vigilância em saúde. Ou seja, o centro faz um monitoramento, criando meios de identificação e intervenção precoce nas emergências em saúde pública de relevância estadual e nacional, estimando o risco de expansão destes eventos.

Leia Também:  Justiça determina busca e suspeito de matar cachorro a tiros é preso com arma

“Este Centro está disponível 24 horas por dia, todos os dias do ano, tornando-se a porta de entrada de  compulsórias imediatas da Secretaria de Estado de Saúde e consequentemente, a ponte entre o Estado e Ministério da Saúde”, informou a SES.

A secretaria explica que o comunicado do Ministério da Saúde sobre o vírus foi um procedimento padrão. O CIEVS encaminhou esse comunicado para a Vigilância do município de Corumbá para que a Rede de Saúde se atente para possíveis casos suspeitos que atendam à definição, assim como já existe uma lista de doenças sendo  monitoradas. A SES frisa que não há casos registrados da doença recentemente.

Vírus Chapare

O vírus é transmitido por alimentos e água contaminados pela saliva, urina e fezes de ratos infectados. Também pode ocorrer a transmissão de humano para humano, conforme observado pelo estudo de cientistas do CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos ).

O vírus Chaparre pode causar sintomas como febre, dor de cabeça, vômito, diarreia, dores nas articulações, erupções cutâneas e sangramentos nas gengivas – e pode levar à morte.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

SES apresenta panorama sobre à Dengue, Chikungunya e Zika a secretários municipais de saúde

Publicados

em

A Secretaria de Estado de Saúde (SES), por meio da Diretoria-Geral de Vigilância em Saúde, realiza nesta quarta-feira (18), a segunda rodada de webinários sobre as ações de combate à Dengue, Chikungunya e Zika, que integram a Campanha “Aproveite a Quarentena e Limpe o seu Quintal”. O tema em pauta será: ‘Panorama Estadual e recomendação das ações aos municípios’. A web será transmitida às 14h30, via Telessaúde.

Na oportunidade, os técnicos da Diretoria-Geral de Vigilância em Saúde da SES irão apresentar balanço referente às 10 últimas semanas e de como está situação epidemiológica das arboviroses nos 79 municípios do Estado. Durante o encontro, será apresentado o Levantamento de Índice Rápido para o Aedes Aegypti (LIRAa) e questões ligadas aos insumos.

Segundo coordenador Estadual de Controle de Vetores da SES, Rafael Rodrigues Silva, durante o período, alguns municípios apresentaram ligeiro aumento no número de casos notificados de Dengue. “Vamos pedir para que os municípios intensifiquem as ações de retiradas de depósitos predominantes e que possam acumular água”.

Segundo a Diretora-Geral de Vigilância em Saúde da SES, Larissa Castilho, os técnicos devem abordar a importância de os municípios terem equipes de controle de vetores estruturadas, com quantitativo de RH suficiente para a execução de todo o serviço sem desvio de funções. “Esse é um dos principais problemas que encontramos, RH deficitário ou agentes com desvio de função, deixando de realizar a visita domiciliar para atender outras funções administrativas”.

Leia Também:  Com reajuste de 22% no ano, gás de cozinha pode chegar a R $ 90 até o fim de dezembro

Confira outros webinários previstos:

– 19 de novembro, às 14h30, acontece a web: ‘Automedicação relacionados à Dengue, Zika e Chikungunya’, ministrado pelo gerente Técnico de Medicamentos da SES, Adam Macedo Adami.

– 24 de novembro, às 14h30, acontece a web: ‘Manejo clínico da Dengue em tempos de Covid-19, ministrada por Andyanne Tetila, da UFDG/SES.

– 27 de novembro, às 14h30, acontece a web: ´Dengue, Zika e Chikungunya e os desafios enfrentados no momento da pandemia, ministrado pelo enfermeiro Everton Ferreira Lemos, do Coren/MS.

– 26 de novembro, às 14h30, acontece a web: ‘Sobre a Febre Amarela Humana, Animal e Imunização’, ministrada gerente de Doenças Endêmicas da SES, Jéssica Klener; Gerente de Zoonoses da SES, Rafael Ovidio; e Gerente Técnica de Imunização da SES, Ana Paula Rezende de Oliveira Goldfinger.

Rodson Lima, SES

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA