SAÚDE

Fiocruz inicia testes com BCG para combate ao coronavírus

Brasil se junta à Austrália, Espanha, Reino Unido e Holanda no estudo

Publicados

em

A Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), começou hoje (16), no Rio de Janeiro, os testes do Brace Trial Brasil (BTB), um estudo com o uso da vacina BCG (Bacillus Calmette-Guérin) com objetivo de reduzir o impacto da covid-19 em profissionais de saúde – enfermeiros, médicos, técnicos, fisioterapeutas, recepcionistas e porteiros, maiores de 18 anos. O voluntário não pode ter sido infectado pela covid-19 e nem participar de outro ensaio clínico. 

O projeto é liderado mundialmente pelo pesquisador australiano Nigel Curtis, do Murdoch Children’s Research Institute, e financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates (Gates Foundation). Com o início dos testes, o Brasil se junta à Austrália, Espanha, Reino Unido e Holanda.

Ao todo serão vacinados 10 mil profissionais de saúde, sendo mil no Rio de Janeiro e dois mil em Mato Grosso do Sul.

A coordenadora do estudo no Brasil, pneumologista e pesquisadora da Fiocruz, Margareth Dalcolmo, disse que antes de começarem a fazer parte do estudo os voluntários fazem testes de PCR para verificar se não têm covid no momento da aplicação. Os participantes terão amostras de sangue colhidas para estudos de marcadores imunológicos e serão acompanhados durante um ano.

“Serão vistos e examinados após três meses, aos seis, aos nove e 12 meses. Em todas essas consultas, será colhido sangue para determinação desses marcadores imunológicos, e será avaliado interinamente aos seis meses após a vacinação e ao final como qualquer estudo de Fase III de vacina ao final de 12 meses os resultados definitivos”, explicou Margareth Dalcolmo à Agência Brasil.

Leia Também:  Justiça determina busca e suspeito de matar cachorro a tiros é preso com arma

O recrutamento dos voluntários será realizado pelo Centro de Referência Professor Hélio Fraga (CRPHF) e pelo Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh). O interessado em ser voluntário pode se inscrever na página da Fiocruz.

Segundo a pneumologista, o estudo já conta com 500 inscritos no Rio de Janeiro.

Início dos testes

Hoje (16), os testes começaram a ser feitos nas instalações da Fiocruz, em Curicica, e na quarta-feira (18) têm início no Campus de Manguinhos.

A médica informou que os estudos já partem da Fase III, porque a BCG é uma vacina singular muito conhecida, e usada há 50 anos em todos os recém-nascidos. Além disso, os estudos, previamente realizados por outros motivos que não a pandemia atual, mostraram uma proteção para outras viroses respiratórias de grupos de população estudados, sobretudo na África.

Conforme explicou, isso levantou a hipótese de que a BCG pudesse ser usada, por ter reação imunológica tão variada que chega a ser chamada até de imunidade treinada, como se treinasse o organismo para se defender contra outros patógenos, especialmente os virais.

Leia Também:  POLÍCIA CIVIL DE SELVÍRIA PRENDE CASAL QUE ESTUPRAVA OS PRÓPRIOS FILHOS.

“A hipótese formulada é de que diante de uma nova virose do novo coronavírus ela possa ter efeito protetor evitando as formas mais graves de covid-19 ou a própria doença”, disse.

O primeiro acompanhamento dos voluntários que tomam a vacina será diário nos próximos 14 dias. “As pessoas que tiverem sido vacinadas agora serão estudadas. Elas já colheram sangue hoje (16), no momento zero da vacinação. Serão acompanhadas diariamente nos primeiros 14 dias. Todos os voluntários recebem telefone e vídeo chamadas do estudo. Com as outras vacinas também é assim”, disse, acrescentando que nesse primeiro dia foram vacinados dez voluntários.

A pesquisadora incentiva a participação dos profissionais da saúde nos estudos, avaliados por ela como muito bem conduzidos, com cepa vacinal dinamarquesa de boa qualidade, já muito conhecida por todos os países participantes. Nenhum país tem resultados preliminares dos testes. “O Brasil foi o último país a entrar e temos reuniões semanais com todos os responsáveis dos outros países. Já há 3.700 pessoas dos 10 mil já incluídos. Essas pessoas estão em observação ainda. Não há nenhum resultado, nem interino. O estudo começou antes de nós, mas em nenhum deles deu tempo ainda de fazer análise interina, que será feita aos seis meses”, disse.

Edição: Fernando Fraga

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

MS tem centro para monitoramento em caso de manifestação do vírus Chapare, informa SES

No entanto, Saúde diz que circulação do vírus ocorreu em 2019 e não há risco de transmissão na fronteira

Publicados

em

Controle boliviano na fronteira com Corumbá. (Foto: Arquivo)

Diante da descoberta de evidências da transmissão entre humanos do vírus Chapare na , a SES (Secretaria de Estado de Saúde) informou que tem um centro onde é feito o monitoramento, em caso de manifestação da doença. O centro informou a cidade de Corumbá para ficar atenta a possíveis casos suspeitos. A secretaria ressalta que não foram registrados casos da doença neste ano, por isso não há riscos de transmissão nos municípios que fazem fronteira com o país vizinho.

A secretaria explica que recebeu um comunicado do Ministério da Saúde informando sobre o estudo em que os cientistas descobriram o vírus Chapare, que pode ser transmitido entre humanos, após registros na  no ano passado. A SES reforça que foram somente cinco casos registrados no ano passado e não houve registro da doença no Brasil.

O comunicado sobre o estudo foi feito ao CIEVS (Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde), que detecta, avalia e monitora informações sobre a prática de vigilância em saúde. Ou seja, o centro faz um monitoramento, criando meios de identificação e intervenção precoce nas emergências em saúde pública de relevância estadual e nacional, estimando o risco de expansão destes eventos.

Leia Também:  Após decisão do MEC, UFMS confirma retorno das aulas presenciais em março de 2021

“Este Centro está disponível 24 horas por dia, todos os dias do ano, tornando-se a porta de entrada de  compulsórias imediatas da Secretaria de Estado de Saúde e consequentemente, a ponte entre o Estado e Ministério da Saúde”, informou a SES.

A secretaria explica que o comunicado do Ministério da Saúde sobre o vírus foi um procedimento padrão. O CIEVS encaminhou esse comunicado para a Vigilância do município de Corumbá para que a Rede de Saúde se atente para possíveis casos suspeitos que atendam à definição, assim como já existe uma lista de doenças sendo  monitoradas. A SES frisa que não há casos registrados da doença recentemente.

Vírus Chapare

O vírus é transmitido por alimentos e água contaminados pela saliva, urina e fezes de ratos infectados. Também pode ocorrer a transmissão de humano para humano, conforme observado pelo estudo de cientistas do CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos ).

O vírus Chaparre pode causar sintomas como febre, dor de cabeça, vômito, diarreia, dores nas articulações, erupções cutâneas e sangramentos nas gengivas – e pode levar à morte.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA