SAÚDE

Campanha de Vacinação contra a Influenza começa com idosos e profissionais de saúde em MS

Publicados

em

A Campanha Nacional de Imunização Contra a Influenza 2022 começou nesta segunda-feira (4), em Mato Grosso do Sul. Idosos a partir de 60 anos e profissionais de saúde já podem procurar uma unidade de saúde para se vacinar. Os municípios farão cronograma de vacinação, organizado por faixa etária para atender o público da primeira etapa da Campanha no Estado.

Na sexta-feira (1º de abril), a Secretaria de Estado de Saúde distribuiu 238 mil doses de vacina da Influenza enviadas pelo Ministério da Saúde aos 79 municípios do Estado.

Segundo secretário de Estado de Saúde, Flávio Britto, a população precisa estar atenta ao calendário vacinal, principalmente quanto o da Influenza. “Nesta primeira fase da campanha, é importante que os profissionais de saúde, principalmente aqueles que atuam na linha de frente, tomem a vacina contra gripe. Os idosos também precisam procurar as unidades de saúde para se vacinarem não só contra a Influenza, mas contra a Covid-19 também. É importante que todos completem o seu esquema vacinal”.

Leia Também:  Caminhoneiros recebem auxílio com parcela dobrada

Para a coordenadora Estadual de Vigilância Epidemiológica da SES, Ana Paula Rezende de Oliveira Goldfinger, quem se imunizou em janeiro, com a vacina da campanha anterior da gripe, precisa tomar a nova dose do imunizante. “Essa nova vacina da gripe protege contra os atuais vírus que estão em circulação no país. Por isso, é importante se vacinar. A partir de maio, as crianças e os demais grupos poderão tomar a vacina da gripe”.

A Secretaria de Estado de Saúde reforça que a vacinação tanto da Influenza quanto da Covid-19 pode ser aplicada ao mesmo tempo, não havendo intervalo entre os dois imunizantes.

Também nesta segunda-feira começou a Campanha de Vacinação Contra o Sarampo, quando será realizado o resgate de profissionais de saúde que não possuem registro da dose contra o Sarampo na carteirinha de vacinação. Esses profissionais poderão ser imunizados nas unidades de saúde. Em maio será a vez das crianças, a partir de seis meses a menores de cinco anos, tomar a vacina do contra o Sarampo.

Leia Também:  Anvisa analisa cinco pedidos para diagnóstico da varíola dos macacos

Influenza

A campanha acontecerá em duas etapas. O Dia D de mobilização nacional está previsto para o dia 30 de abril, mas estados e municípios podem alterar a data.

Primeira etapa – entre os dias 04/04 e 02/05

  • Idosos com 60 anos ou mais;
  • Trabalhadores da saúde;

Segunda etapa – entre os dias 03/05 e 03/06

  • Crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias);
  • Gestantes e puérperas;
  • Povos indígenas;
  • Professores;
  • Comorbidades;
  • Pessoas com deficiência permanente;
  • Forças de segurança e salvamento e Forças Armadas;
  • Caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso;
  • Trabalhadores portuários;
  • Funcionários do sistema prisional;
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
  • População privada de liberdade.

Sarampo

  • Começou no dia 4 abril – profissionais de saúde que não possuem o registro da dose na carteirinha de vacinação.

Rodson Lima, SES

Foto: Arquivo

 

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Anvisa analisa cinco pedidos para diagnóstico da varíola dos macacos

Todos os pedidos de registro já tiveram a análise iniciada

Publicados

em

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou, nesta quinta-feira (11), o balanço dos pedidos de registro de produtos para o diagnóstico de varíola dos macacos. No total, foram cinco pedidos e todos já tiveram sua análise iniciada.

Segundo a agência, os dois primeiros produtos foram Viasure Monkeypox Virus Real Time PCR Detection Kit, fabricado na Espanha pela empresa CerTest Biotec, e Monkeypox Virus Nucleic Acid Detection Kit, fabricado na China pela empresa Shanghai BioGerm Medical Technology. Ambos são ensaios moleculares, passaram pela avaliação do corpo técnico da Anvisa e aguardam complementação de informações por parte das empresas solicitantes para continuidade da análise.

O terceiro produto, que teve o pedido de registro submetido no dia 8 de agosto, também é um ensaio molecular e corresponde ao Standard M10 MPX/OPX, que tem como fabricante legal a empresa nacional Eco Diagnóstica, mas que tem parte da sua produção ocorrendo em outro país. A análise técnica da documentação está em curso.

Os pedidos mais recentes deram entrada na quarta-feira (10). Um deles, o Monkeypox Virus Antigen Rapid Test, o primeiro pedido relacionado a teste rápido para detecção de antígeno, fabricado pela empresa chinesa Shanghai BioGerm Medical Technology, e o produto Kit Molecular Monkeypox (MPXV) Bio-Manguinhos, fabricado no Brasil pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos.

Leia Também:  COVID: Selvíria já aplica quarta dose de reforço da vacina em pessoas com mais de 35 anos

Em nota, a Anvisa destacou que a prioridade é “a avaliação de todos os pedidos de registro de produtos para diagnóstico in vitro que possam ser utilizados como recurso para o enfrentamento da monkeypox [varíola dos macacos, em inglês]”.

Edição: Fernando Fraga

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA