REGIÃO

Nível do reservatório da hidrelétrica de Ilha Solteira cai para 1% da capacidade

Segundo a ONS, operação em hidrelétricas com valores inferiores a 10% requer atenção; mesmo com nível baixo, não há previsão para suspensão dos trabalhos na usina.

Publicados

em

Por G1 Rio Preto e Araçatuba

O nível do reservatório da Usina Hidrelétrica de Ilha Solteira (SP) caiu para 1,45% da capacidade, de acordo com dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) desta segunda-feira (13). Apesar do baixo nível, a unidade opera normalmente.

A usina, construída no Rio Paraná, é a maior do Estado de São Paulo e a terceira maior em operação do Brasil. De acordo com a empresa CTG Brasil, responsável pelas operações da usina, a potência instalada é de 3.444 megawatts, com 20 unidades geradoras. A barragem tem 5.605 metros de comprimento, com reservatório de 1.195 quilômetros quadrados de extensão.

De acordo com a CTG Brasil, a usina é projetada para operar até o nível de 314 metros, mas para manter a operação do canal Pereira Barreto sem restrições, a cota mínima de operação pode chegar até 323 metros.

Nesta segunda-feira, o reservatório está dentro do nível mínimo estabelecido pelos órgãos reguladores, sendo correspondente a 1,45% do volume armazenado, se considerado o nível mínimo de 323 metros. Se considerar o nível de 314 metros, o volume correspondente é de 57% do total do reservatório.

Leia Também:  Auxílio Brasil: ministro diz que governo usará R$ 30 bi fora do teto

Estiagem provocou queda no nível do rio em Ilha Solteira (SP) — Foto: Jewison Cabral/TV TEM

No mesmo período do ano passado, o nível do reservatório da hidrelétrica de Ilha Solteira estava em 65%. Já em agosto deste ano, o nível estava em 36%. No começo deste mês, caiu para 10%.

Em nota, a CTG Brasil informou ao G1 que cumpre rigorosamente a legislação, procedimentos e normas do setor elétrico do país, bem como a política de operação definida pela ONS.

Conforme o ONS, a operação de hidrelétricas com nível de armazenamento em torno de 10% é tecnicamente viável, e com valores inferiores a 10% requer atenção, como solicitações mecânicas a que as máquinas são submetidas.

Mais situação crítica

 

Na Usina Hidrelétrica de Três Irmãos, em Pereira Barreto (SP), também no noroeste paulista, a situação não é diferente. O nível da usina é crítico, com 6,17% da capacidade registrado nesta segunda-feira.

Em agosto deste ano, o índice de armazenamento era de 39%. No ano passado, no mesmo período, o nível da represa estava em 62%.

Estiagem fez nível do rio em Pereira Barreto (SP) diminuir e mudar cenário de prainha
— Foto: Jewison Cabral/TV TEM

A unidade de Três Irmãos foi instalada na bacia do rio Tietê, a 28 quilômetros da foz, em Pereira Barreto. A potência instalada da usina é de 807,5 megawatts, com cinco unidades geradoras.

Leia Também:  MÉDICOS DO BRASIL VÃO PERCORRER MAIS DE MIL QUILÔMETROS LEVANDO ASSISTÊNCIA ÀS COMUNIDADES DO PANTANAL

As usinas de Ilha Solteira e de Três Irmãos fazem parte do principal conjunto de hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, que concentram 70% de toda a água armazenada no país.

Para os especialistas, os baixos níveis de armazenamento das usinas do noroeste paulista são preocupantes e há risco de apagão.

“Vários especialistas têm se manifestado que nós devemos passar setembro, outubro e até mesmo novembro com uma atenção muito forte para evitar a ocorrência desses apagões. É possível que a partir de novembro, com o início da estação chuvosa, tenha uma melhoria da situação dos reservatórios, mas vai com certeza depender das condições do verão”, explica Luiz Barata Ferreira, consultor do Instituto Clima e Sociedade.

Por G1 Rio Preto e Araçatuba

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

REGIÃO

Com apoio da Suzano, produtores rurais buscam impulsionar os negócios por meio de ferramentas digitais em MS

Oportunidade surgiu em decorrência da pandemia de covid-19 com o objetivo de levar para o campo técnicas para o uso assertivo das redes sociais em favor do relacionamento com clientes e fomento das vendas

Publicados

em

Produtores rurais de Mato Grosso do Sul apoiados pelos projetos de Desenvolvimento Social da Suzano, referência global na fabricação de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, participaram de um curso online de inclusão digital voltado para a utilização de redes sociais como ferramenta de negócio. A proposta surgiu em decorrência da pandemia de covid-19, que acelerou o uso de ferramentas digitais para gestão de negócios, e contou com a participação de 12 colaboradores/as da Unidade Três Lagoas da Suzano. Com diferentes vivências em ferramentas digitais, esses profissionais atuaram como voluntários/as por meio do programa Voluntariar em Ação da empresa.

“Desde o ano passado, a Suzano vem adotando uma série de medidas para mitigar os impactos da pandemia nas comunidades apoiadas pela empresa. Mantivemos os nossos projetos sociais por meio de reuniões e consultorias remotas e lançamos ações como ‘A Feira Vai Até Você’ para impulsionar as vendas dos produtores rurais. Nesse processo, percebemos que algumas das mudanças vieram para ficar. Entre elas, o uso das redes sociais para fomentar os negócios. Dessa forma, nosso objetivo com o curso foi o de auxiliar e incentivar as comunidades rurais a aproveitarem ao máximo os benefícios que as ferramentas digitais têm a oferecer”, ressalta Israel Batista Gabriel, coordenador de Desenvolvimento Social da Suzano em Mato Grosso do Sul.

Para promover essa formação, o curso foi dividido em módulos: Redes Sociais, Ferramentas Digitais e Produção de Vídeos Institucionais. Nas aulas, os participantes tiveram acesso a temas como uso assertivo das redes sociais (Facebook e Instagram) para aumentar a visibilidade e, consequentemente, as vendas das associações; relacionamento com clientes por meio de aplicativos de mensagens; como promover reuniões on-line, além de instruções para criarem sites gratuitos e produção de vídeos.

Entre as pessoas capacitadas, está Danielle Jovane Rodrigues Nogueira Campos. Aos 33 anos, ela é empreendedora e proprietária da Nogueira Campos, Produtos da Roça, e contou que o curso já produziu resultados, aumentando em até 40% suas vendas. “O curso de Inclusão Digital foi muito bom para mim, foi ligando uma coisa na outra. Algumas técnicas, eu já sabia, outras eu aprendi com o curso como o WhatsApp Comercial. Lá, posso colocar um catálogo com todos os produtos que trabalho. E, como faço a produção sozinha, coloquei uma mensagem automática informando para o cliente dar uma olhadinha no catálogo que em breve responderei a mensagem dele. Na mesma mensagem automática, coloquei os dias que estou na cidade fazendo feira (segundas, quartas e sábados), e o dia que tem delivery.  Assim, o cliente já fica sabendo o dia que estou na cidade e o dia que posso fazer a entrega”, ressalta a empreendedora.

Leia Também:  Com apoio da Suzano, produtores rurais buscam impulsionar os negócios por meio de ferramentas digitais em MS

De acordo com Israel, o projeto de inclusão digital também visa aumentar a competitividade das comunidades rurais. “Além de impulsionar as vendas e aumentar a visibilidade dos produtos e das associações, o curso também visa aumentar a competitividade dessas comunidades, uma vez que, com um site onde há prestação de contas publicamente, por exemplo, aumenta a transparência do grupo e, consequentemente, as chances de participar de processos seletivos para a captação de recursos”, completa o coordenador da Suzano.

Desenvolvimento Social

Por meio do Programa de Desenvolvimento Rural e Territorial, a Suzano apoia 15 associações de pequenos produtores rurais em Três Lagoas e região. Ao todo, os programas e projetos de Desenvolvimento Social da Suzano beneficiam cerca de 5 mil famílias diretamente, e 9,6 mil pessoas, indiretamente, em Mato Grosso do Sul.

Voluntariar

O Programa Voluntariar tem como objetivo estreitar o relacionamento da Suzano com as comunidades próximas, estimulando colaboradores(as), prestadores(as) de serviço, familiares e parceiros(a) a realizarem ações voluntárias, fortalecendo o protagonismo social e gerando uma mudança positiva na sociedade, trabalhando de forma colaborativa pela educação, sustentabilidade, diversidade e inclusão.

Por meio do programa, são desenvolvidos vários projetos voluntários, como o Formare, que capacita jovens em situação de vulnerabilidade social para o mercado de trabalho – em Mato Grosso do Sul, o programa será iniciado em 2021 – e o Suzano na Escola, que visa incentivar o espírito empreendedor no público jovem, ampliando sua visão do mercado de trabalho e o mundo dos negócios. Dentro do programa, ainda existem iniciativas como JA Startup, na qual são trabalhados conceitos e ferramentas que desenvolvam em jovens habilidades necessárias para transformar ideias em startups, e o Contribuindo para o Futuro, que busca fomentar a troca de conhecimento dos/as Trainees Suzano e a atuação deles/as como mentores/as voluntários/as, atendendo jovens universitárias/os de regiões do Brasil próxima às operações da companhia.

Leia Também:  Dólar cai e bolsa reduz perdas após discurso do ministro da Economia

Além disso, a empresa também oferece o Voluntariar em Ação, movimento colaborativo e solidário para fortalecer a cultura de voluntariado na Suzano, entre outras iniciativas. Qualquer pessoa interessada em exercitar a solidariedade, mesmo que forma remota, pode também consultar o Guia Remoto de Voluntariado que está disponível no site da Suzano: (www.suzanocontraocoronavirus.com.br https://bit.ly/3sMroEE ).

Sobre a Suzano

Suzano é referência global no uso sustentável de recursos naturais. Como líder mundial na fabricação de celulose de mercado e uma das maiores fabricantes de papéis da América Latina, exporta para mais de 80 países e, a partir de seus produtos, está presente na vida de mais de 2 bilhões de pessoas. Com dez fábricas, além da joint operation Veracel, possui capacidade instalada de 10,9 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papéis por ano. A empresa investe há mais de 90 anos em soluções inovadoras a partir do plantio de eucalipto com o objetivo de substituir matérias-primas de origem fóssil por fontes de origem renovável. A companhia, resultante da fusão entre a Suzano Papel e Celulose e a Fibria, orgulha-se de sua equipe, composta por mais de 35 mil colaboradores diretos e indiretos, e destaca-se por ter os mais elevados níveis de Governança Corporativa da B3 (Brasil) e da NYSE – New York Stock Exchange (Estados Unidos), mercados onde suas ações são negociadas. Para mais informações, acesse: www.suzano.com.br

 

Informações à Imprensa

Performa Comunicação

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA