REGIÃO

CTG BRASIL LEVA DESAFIO AO CLIMATHON 2020

Empresa concessionária das usinas Jupiá e Ilha Solteira incentiva busca de soluções para reduzir impactos de eventos climáticos extremos, que prejudicam negócios e comunidades ribeirinhas

Publicados

em

A CTG Brasil, concessionária das usinas hidrelétricas Jupiá e Ilha Solteira e uma das líderes em geração de energia limpa no País, é autora de um dos desafios que serão lançados na edição de 2020 do Climathon, maior hackathon do mundo focado em soluções de mitigação de efeitos climáticos. Como patrocinadora visionária do evento, a empresa propõe que os participantes apresentem soluções para aumentar a resiliência de negócios de diversos setores e das comunidades ribeirinhas frente a eventos climáticos extremos, como secas intensas e chuvas torrenciais.
“Para a CTG Brasil, participar de desafios voltados a soluções pro-clima em temas de resiliência climática é uma forma de mobilizar a sociedade para essa questão e estimular o surgimento de inovações que possam beneficiar a todos”, destaca Salete da Hora, diretora de Marca, Comunicação e Sustentabilidade da companhia. “As secas prolongadas, cada vez mais frequentes, têm forte impacto em diferentes setores da economia e na vida de comunidades ribeirinhas e costeiras. A geração de energia hidrelétrica, a agricultura, os empreendimentos turísticos e de lazer e até mesmo o meio ambiente são prejudicados pela escassez hídrica”, afirma.
De acordo com Angélica Rotondaro, da equipe de organização do Climathon, “a CTG Brasil traz um olhar importante para o evento, para orientar os participantes sobre como transformar as propostas em negócios escaláveis, multiplicando seus benefícios, pela sua experiência em geração de energia limpa em larga escala e na estruturação de projetos de impacto social e ambiental”.
Possíveis soluções para o tema proposto pela empresa devem considerar a mitigação dos impactos causados por eventos climáticos extremos nas principais bacias hidrográficas e na geração de energia elétrica. Também serão valorizadas tecnologias que amenizem os prejuízos desses eventos para as populações vulneráveis, como novos modelos de construção civil e sistemas de comunicação e alertas para comunidades, além de projetos para redução no consumo de água.
Sobre o Climathon 2020
Com cerca de 6 mil participantes, o evento acontecerá nos dias 13 e 14 de novembro simultaneamente em mais de 160 cidades espalhadas pelo mundo. A versão online brasileira vai selecionar propostas inovadoras que impulsionem a economia azul circular, que visa o desenvolvimento de negócios pro-clima para uso eficiente dos recursos hídricos, redução e transformação dos resíduos plásticos nos rios e oceano, circularidade de bens de consumo, mitigação do impacto de eventos climáticos extremos e conscientização de consumidores, entre outras ações.
Os interessados podem se inscrever até 12 de novembro, ao meio-dia (horário de Brasília), por meio deste link. A competição é aberta a empreendedores, startups pro-clima e pesquisadores que apresentem ideias de soluções para três temas estratégicos. Além do tema idealizado pela CTG Brasil, que abordará “Soluções de Resiliência para Negócios e Comunidades frente a Eventos Climáticos Extremos”, os participantes também serão convidados a propor inovações para “Gestão do Resíduo no Caminho e no Mar” e “Impacto com Resíduo e Microplástico – Soluções por uma Moda Circular”.
No dia 30 de outubro, às 11h15, será realizado webinar de aquecimento sobre o tema proposto pela CTG Brasil, com participação de Angélica Rotondaro, pelo Climate Smart Institute, Mariana Vasconcelos, CEO da Agrosmart, Alexandra Sampaio, da Unisanta, e Marcos Tonelli, do Instituto Oceanográfico da USP. A inscrição para o webinar pode ser feita pelo mesmo link de adesão ao Climathon.
A cidade de Santos, no estado de São Paulo, foi escolhida como sede simbólica do evento no Brasil, por representar os desafios das cidades costeiras em relação à mudança climática aliada à compreensão da necessidade de soluções pró-resiliência e gestão de risco climático. Para Tatiana Zanardi, do Climate-Smart Institute e Ocean Eyes Productions, “uma orientação pro-economia azul de start-ups é absolutamente necessária. E o Brasil, com uma costa de mais de 7.000 km e detentor das maiores bacias hidrográficas da América do Sul, deve tomar a liderança nesse tema”.
Dinâmica e premiações
Ao longo dos dias 13 e 14 de novembro, os participantes do Climathon irão consolidar suas ideias ou revisitar a sua proposta de valor seguindo as diversas fases de estruturação de um modelo de negócios e preparação dos pitches de venda de suas ideias, produtos ou serviços, que serão submetidos para o comitê avaliador.
A divulgação dos três primeiros colocados de cada desafio será realizada em evento de premiação virtual programado para o dia 18 de novembro. Uma série de webinars preparatórios acontecerá nos próximos dias para tangibilizar com exemplos de cada um dos desafios propostos.
Os primeiros colocados em cada uma das três categorias receberão sessões de mentoria concedidas por investidores de impacto, incluindo José Renato Domingues, Vice-presidente Corporativo da CTG Brasil. Os vencedores também terão a oportunidade de concorrer à premiação global, que oferecerá uma vaga para incubação no EIT Climate-KIC, comunidade de conhecimento e inovação apoiada pelo Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia. Os segundos e terceiros lugares de cada categoria participarão de uma rodada “shark tank” com os investidores-mentores. Todos os participantes do evento terão visibilidade frente a investidores anjo e a uma rede internacional.
O evento é organizado pela Alimi Impact Ventures e, além do patrocínio e participação da CTG Brasil, conta com o apoio da Bloom laboratório de negócios pro-clima no Oceano, das universidades UniSanta, Anhembi Morumbi, CESAR Católica de Santos, Nova Lisboa e do Centro de Estudos das Organizações da FEA-USP, assim como de movimentos da sociedade civil, como Sea Shepherd, Climate-Smart Institute e Ocean Eyes Productions.
Sobre a CTG Brasil
A CTG Brasil trabalha para desenvolver o mundo com energia limpa em larga escala. Segunda maior geradora privada de energia do País, conta com a dedicação de seus talentos locais e está comprometida em contribuir com a matriz energética brasileira, pautada pela responsabilidade social e respeito ao meio ambiente. A empresa tem investimentos em 17 usinas hidrelétricas e 11 parques eólicos, com capacidade instalada total de 8,28 GW. Criada em 2013, é parte da China Three Gorges Corporation, uma das líderes globais em geração de energia limpa.
Sobre a Alimi Impact Ventures
A Alimi Impact Ventures é uma consultoria focada em trazer escalabilidade para o investimento sustentável e de impacto no Brasil. Nesse sentido foca em envolver novos atores no ecossistema de impacto, especialmente as empresas, investidores institucionais e os NextGen brasileiros. Apoia o desenvolvimento de estratégias de blended finance para um blended portfolio, ao utilizar o capital filantrópico e de inovação para acelerar start-ups em temas onde o Brasil se destaca, como uma Economia Azul Circular e de Cadeias de Alimento mais sustentáveis, ainda com potencial a ser desenvolvido.
Mais informações:
Igor Galante – (17) 99791-1216
Priscila Carvalho – (17) 99734-6801
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Na segunda onda, MS volta a ter cidades no grau de risco extremo da Covid
Propaganda

REGIÃO

Suzano assina Pacto Empresarial contra a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas rodovias brasileiras

Com o Programa Na Mão Certa, empresa busca sensibilizar seus colaboradores para atuarem como agentes de proteção dos direitos da criança e do adolescente em Mato Grosso do Sul pelo fim da violência sexual

Publicados

em

A Suzano, referência global na fabricação de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, assume o compromisso de proteger a crianças e adolescentes contra o abuso e a exploração sexual em Mato Grosso do Sul. O Pacto Empresarial contra a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas rodovias brasileiras, assinado em 30 de setembro deste ano, terá seus compromissos transformados em ações por meio do Programa Na Mão Certa, uma iniciativa da Childhood Brasil que tem como objetivo conscientizar e sensibilizar os colaboradores da empresa para atuarem como agentes de proteção dos direitos de crianças e adolescentes.

“A Suzano sabe do poder de transformação e da responsabilidade social que tem com as regiões em que atua. Por isso, temas como a prevenção e o enfrentamento da violência contra mulheres, crianças e adolescentes sempre estiveram presentes em nossas ações. O que fizemos foi assumir o compromisso público com esta causa, unindo forças com a Childhood Brasil para intensificarmos nossas ações em prol do fim da exploração sexual de crianças e adolescentes”, destaca Israel Batista Gabriel, coordenador de Desenvolvimento Social da Suzano.

Leia Também:  Na segunda onda, MS volta a ter cidades no grau de risco extremo da Covid

O Pacto Empresarial, iniciativa da Childhood Brasil, em parceria com o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social e apoio da Organização Internacional do Trabalho, é um compromisso público de engajamento no movimento criado pelo Programa Na Mão Certa. A principal estratégia do programa é apoiar empresas e entidades empresariais na sensibilização e educação continuada de motoristas e caminhoneiros para que sejam agente de proteção nas rodovias brasileiras.

A Suzano abraçou esta causa com ações que envolverão todos os seus colaboradores, entre próprios e terceiros. Na implementação do programa, serão realizadas ações de engajamento como palestras, encontros e treinamentos no formato virtual, além de campanhas de conscientização e distribuição de materiais informativos.

O plano de ações estratégicas para 2021 já está em construção pelo time da Desenvolvimento Social da Suzano, em parceria com a Childhood Brasil. A expectativa é que o programa seja levado para outras unidades da Suzano no próximo ano.

Conforme dados da 7ª edição do mapeamento, realizado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) e divulgados pela Childhood, por meio do Projeto Mapear, entre 2017 e 2018, foram identificados 2.487 pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias federais do Brasil. O mapeamento abrangeu em torno de 65 mil quilômetros de rodovias federais, distribuídos pelos 26 estados e o Distrito Federal.

Leia Também:  Com cobrança extra, conta de luz ficará mais cara a partir de terça

A Childhood Brasil e o Programa Na Mão Certa

A Childhood Brasil é uma organização brasileira que integra a World Childhood Foundation (Childhood), instituição internacional criada em 1999 pela Rainha Silvia da Suécia, com o objetivo de promover a proteção de crianças e adolescentes contra a violência sexual.

O Programa Na Mão Certa foi lançado em 2006 pela Childhood Brasil, visando a erradicação da exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias brasileiras. O Programa está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (Organização das Nações Unidas), divulgados em 2015.

Informações da assessoria de comunicação

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA