MATO GROSSO DO SUL

Superávit do comércio exterior de MS foi 38% maior em 2020, puxado pelo agro

Publicados

em

As exportações de Mato Grosso do Sul no ano passado somaram US$ 5,808 bilhões e foi 11,32% superior ao total apurado em 2019 (US$ 5,217 bilhões). Por outro lado, as importações foram menores (US$ 1,905 bilhão) em 2020 em relação ao ano anterior (US$ 2,403 bilhões). Com isso, o saldo da balança comercial, ou seja, o resultado da diminuição de tudo que foi comprado do exterior com o valor das vendas ficou em US$ 3,902 bilhões, contra US$ 2,814 bilhões apurados em 2019, representando um crescimento do superávit de 38%. Os dados estão na Carta de Conjuntura nº 62, divulgada nesta quinta-feira (7) pela Semagro (Secretaria do Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

O bom desempenho das exportações do MS está relacionado à desvalorização do real diante do dólar, o que torna o produto nacional mais barato nos mercados internacionais.  “Mas também tem a ver com os estímulos à competitividade, como o dinamismo dos portos em Porto Murtinho e Corumbá e também a disponibilidade de crédito para a produção, pois aplicamos 100% dos recursos do FCO no ano passado”, avalia o secretário em exercício da Semagro, Ricardo Senna.

No seu entender, as medidas urgentes de biossegurança, em especial aquelas adotadas nos frigoríficos, também garantiram a redução dos riscos sanitários que os mercados exigiam e possibilitaram que o ritmo da economia não sofresse impacto significativo devido à pandemia. “A perspectiva é que Mato Grosso do Sul mantenha esse bom desempenho, pois há previsão de que a economia mundial crescerá em torno de 4% em 2021″, pontuou.

Leia Também:  Covid-19: Plano de MS prevê imunização de 144,5 mil pessoas na primeira etapa

Produtos

Produtos como a soja (+ US$ 500 milhões), óleos e gorduras vegetais (+ US$ 220 milhões), açúcar (+ US$ 240 milhões) e carne de aves (+ US$ 25 milhões) contribuíram para esse superávit. Com relação a soja, o Estado vendeu 1,5 milhão de toneladas a mais em 2020, comparado com o volume exportado do produto em 2019. E mais que dobrou o volume exportado de óleo e gordura vegetal e animal no mesmo período: de 442 mil toneladas (2019) para 1,029 milhão de toneladas no ano passado.

O principal produto de exportação de Mato Grosso do Sul continua sendo a celulose, tanto em volume quanto em valor. Aumentou o volume exportado (de 4,232 milhões/ton em 2019 para 5,538 milhões/ton em 2020), embora devido à variação para menor no preço da commodity, o valor apurado no ano passado (US$ 1,667 bilhão) tenha ficado menor que o de 2019 (US$ 1,980 bilhão). O ferro-gusa também apresenta aumento expressivo do valor exportado (+115%) e o item Outros Produtos Alimentícios teve incremento de 216% (US$ 12,78 milhões em 2019 para US$ 40,4 milhões em 2020).

Leia Também:  No primeiro dia oficial de vacinação, Mato Grosso do Sul atinge 2,7 mil mortes por Covid-19

Importações

Em relação ao que foi comprado no exterior, o Estado continuou com uma pauta concentrada na importação de gás boliviano, representando 50,48% da pauta de 2020, enquanto no ano anterior esse produto representou 52,63% de todas as importações. Produtos químicos inorgânicos (14,3%), produtos da metalurgia de metais não ferrosos (6,69%) e tecidos (5,86%) aparecem logo em seguida na pauta das compras externas.

Em termos de destino das exportações houve uma concentração nas exportações para a China, representando 45,46% do valor total das ao exterior no ano passado. Os países com maior aumento na participação foram: Hong Kong (27,92%) e China (21,38%). A maior queda foi registrada para o Japão, com baixa de 41,6% nas exportações em relação a 2019. A concentração nos dez maiores destinos das exportações passou de 73,19% a 71,98% na comparação entre o apurado em 2020 e 2019.

Veja AQUI a íntegra da Carta de Conjuntura.

João Prestes, Semagro

Foto: Arquivo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO DO SUL

Pandemia ainda não acabou: MS registra mais de mil casos em apenas um dia

Publicados

em

Apesar do otimismo ocasionado pelo início da vacinação no Estado, a pandemia ainda não está próxima de acabar. Os números apontam para um aumento expressivo tanto no número de casos confirmados, como para os registros de mortes pela doença.

Durante a live desta quarta-feira, o governador Reinaldo Azambuja falou sobre a logística de entrega em 24 horas e sobre a manutenção dos cuidados com a biossegurança. Foi uma integração de resultados”, salientou referindo-se ao trabalho de entrega de vacinas desenvolvido pela Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) e pela SES (Secretaria de Estado de Saúde).

“É muito importante mantermos vigilantes A pandemia não passou, vidas estão sendo perdidas todos dias. Já somam 2.723 pessoas que perderam a vida, somos solidários às famílias que perderam entes queridos’, reforçou Reinaldo Azambuja.

Dados do Boletim

De acordo com o boletim epidemiológico desta quarta-feira (20) em apenas 24 horas mais de mil casos foram confirmados para a Covid-19. Com isso, o Estado passa a ter 153.067 sul-mato-grossenses que foram infectados pelo vírus.

Leia Também:  Eldorado Brasil oferece mais de 800 vagas para início imediato

Os números da SES (Secretaria de Estado de Saúde), de hoje, revelam que 18 pessoas vieram a óbito em um dia, com isso, 2.723 mortes por coronavírus foram registradas do início da pandemia até agora.

Em tratamento, 12.823 pessoas estão em isolamento social, enquanto que 540 estão hospitalizadas, sendo que 292 estão em leitos clínicos (194 na rede pública e 98 na rede privada) e 248 em leitos de UTI, com 180 pelo SUS e 68 nos hospitais privados do Estado.

O comprometimento de leitos no Estado segue preocupando, com 85% de ocupação dos leitos UTI/SUS na macrorregião de Campo Grande; de 80% em Dourados; 75% em Corumbá e 63% em Três Lagoas.

Acesse o detalhamento do boletim aqui.

Ana Brito, Subcom

Foto: Divulgação

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA