MATO GROSSO DO SUL

MS tem 56 mortos, recorde de novos casos e 5.784 doentes com coronavírus

Boletim apresentou 8 óbitos e 393 novos casos em 24h

Publicados

em

O boletim epidemiológico do novo coronavírus desta terça-feira (23) apresentou dois recordes nas estatísticas da Covid-19 em MS: são 393 novos diagnósticos da doença, além de registro de 8 mortes nas últimas 24h, segundo pontuou a SES (Secretaria de Estado de Saúde). Com isso, o total de confirmações em MS chega a 5.784 – incremento das estatísticas de positivos em 7,3%, caracterizando uma curva ainda exponencial.

Após a divulgação do boletim, foi confirmada mais uma morte: a 56ª vítima é um idoso de 70 anos que morava em Ponta Porã. O paciente sofria de diabetes de de insuficiência renal crônica. Ele estava internado desde o dia 11 de junho, no Hospital Regional de Ponta Porã, e vindo a falecer nesta terça-feira.

A atualização apresentou um total de 33.123 notificações, das quais 24.301 foram descartadas. Até o momento, 1.292 amostras estão e análise no Lacen-MS (Laboratório Central) e outras 1.746 ainda aguardam encerramento nos municípios.

“[Esses números são] fruto da não contribuição da população de Mato Grosso do Sul. Esses 393 casos positivos são pessoas que vieram a ser contaminados por Covid-19 porque ignoram as recomendações”, disse o titular da SES, Geraldo Resende, durante a live. Ele voltou a mencionar casos de aglomerações em bares e festas residenciais que ocorrem contra as recomendações sanitárias.

Distribuição dos novos casos

Os 393 novos casos estão divididos em 34 cidades de MS, sendo Dourados a líder, com 135 novos pacientes. Campo Grande vem em seguida, com 126 confirmações, contra 19 de Corumbá, 13 de São Gabriel do Oeste, 11 de Costa Rica, 10 de Ponta Porã, 8 de Vicentina e 7 de Chapadão do Sul.

Leia Também:  Tempo será chuvoso e frio em grande parte do Estado neste sábado

Com novos 6 registros, casa, estão Cassilândia e Naviraí. Com 4, cada, estão Rio Brilhante, Mundo Novo, Amambai, Ivinhema, Jateí, Três Lagoas e Paranaíba. Nova Alvorada do Sul tem 3 novos casos.

Com 2 registros, cada, estão Itaporã, Ladário, Fátima do Sul, Novo Horizonte do Sul, Douradina e Sonora. Por fim, Brasilândia, Corguinho, Deodápolis, Glória de Dourados, Iguatemi, Bataguassu, Guia Lopes da Laguna, Ribas do Rio Pardo, Selvíria e Terenos trazem um registro, cada. A retificação é em Juti, que teve um caso retirado da estatística.

Óbitos registrados

O boletim apresentou a confirmação de 55 óbitos em decorrência de Covid-19, 8 deles registrados nas últimas 24h. É o maior registro diário de óbitos desde o início da pandemia. Com isso, junho já soma 34 registros, contra 11 ocorridos no mês de maio.

Situação de confirmados e internações

Dos 5.784 casos de Covid-19 em MS, 2.893 já estão recuperados e 2.836 são casos ativos. Destes, 2.,678 estão em isolamento domiciliar e 158 internados, além de 3 pacientes de outros estados que não integram as estatísticas locais.

Leia Também:  Angra 2 bate recorde de produção de energia

As internações estão divididas entre 85 pacientes em leitos clínicos (53 SUS e 30 particulares, mais 2 em outros estados e que contam para MS) e 76 em UTI (48 SUS e 29 privados).

A tava de ocupação dos leitos clínicos SUS – que agrega tanto casos confirmados como os suspeitos – já é de 17% (111 internações). Em relação às UTI, a ocupação já é de 31% do total, com 62 leitos ocupados. As taxas de ocupações globais (com casos suspeitos, confirmados e demais enfermidades) nas 4 macrorregiões está dividida da seguinte forma: Campo Grande (71%), Dourados (54%), Três Lagoas (35%) e Corumbá (20%). Confira os detalhes na galeria.

Avanço da Covid-19 em MS

O novo coronavírus já está em 63 dos 79 municípios de MS, o que corresponde a 80% do território estadual. Dourados, Campo Grande, Guia Lopes da Laguna, Três Lagoas e Corumbá são os municípios com maior número de registros absolutos da doença.

Já no taxa de incidência, que recalcula os casos para cada 100 mil habitantes, Guia Lopes da Laguna está à frente, seguida por Douradina, Fátima do Sul, Vicentina e Dourados. Confira os detalhamentos nas imagens abaixo.

Clique AQUI e veja o boletim epidemiológico na íntegra.

Matéria editada às 13h21 para acréscimo de óbito confirmado pela SES.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO DO SUL

Campanha Sinal Vermelho começa a dar resultado em MS

Vítima pediu ajuda à família no interior com envio de uma foto com um X desenhando na mão

Publicados

em

A Campanha Sinal Vermelho começa a dar resultados positivos em Mato Grosso do Sul. Ciente da campanha, uma mulher, com deficiência auditiva, de 39 anos, impedida de sair de casa, teria encaminhado uma foto com um X à família pedindo ajuda que mora no interior do Estado. Com apoio da Polícia Militar, a vítima acabou resgatada junto com a filha de três anos em Campo Grande.

Segundo a Polícia Militar, após receber a denúncia da família, uma equipe do Programa Mulher Segura (Promuse) foi até ao endereço na Capital. Lá, durante entrevista, a vítima revelou que era mantida em cárcere pela própria irmã, que a obrigava a fazer todas as atividades domésticas, impedindo-a de sair de casa, até mesmo para ir ao médico.

Com ajuda de um intérprete em libras, a vítima relatou que sofria humilhações, ofensas e constrangimento por parte do cunhado, que não tinha pudores em relação aos momentos íntimos do casal. Sem conseguir sair de casa para ir até uma farmácia conveniada e mostrar o X vermelho na palma da mão, a vítima fez uma foto e mandou para familiares no município de Aquidauana – distante 141 quilômetros de Campo Grande, que de imediato acionaram a Polícia Militar e houve o resgate.

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), aderiu ao movimento criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) para que mulheres vítima de violência doméstica possam contar com apoio de farmácias como um novo canal silencioso para denúncias.

Leia Também:  Senado aprova adiamento das eleições para 15 de novembro

Em Mato Grosso do Sul, dados da Superintendência de Inteligência de Segurança Pública (SISP) da Sejusp mostram que os últimos três anos vêm registrando queda no número de casos. Em um comparativo de janeiro a maio (mês lançamento da campanha) referente a cada ano: 2018 registrou 7.616 ocorrências; 2019, 7.653 ocorrências; 2020, 7.042 ocorrências em todo o Estado. Quanto aos casos de feminicídios, 15 foram registrados no mesmo período de cada ano.

A Sejusp trabalha junto com a Polícia Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar na prevenção e no aperfeiçoamento de seus profissionais para prestarem atendimento às vítimas. E um exemplo, foi justamente, da PM com o Programa Mulher Segura – Promuse, que atua no reforço da fiscalização das medidas protetivas de urgência, proporcionando maior segurança às vítimas.

A Polícia Civil, por sua vez, outra instituição parceira da campanha, criou uma nova ferramenta, on-line, para que as mulheres denunciem crimes envolvendo violência de gênero e pode ser acessada através do site http://devir.pc.ms.gov.br/#/. As Delegacias Especializadas da Mulher em todo o Estado mantêm o atendimento normal para as vítimas em suas unidades. Todas as denúncias podem ser feitas via 190 ou diretamente na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM).

Leia Também:  Frio continua e domingo será nublado em MS

No Estado, inicialmente devem participar da campanha, a rede de farmácias Pague Menos, Drogasil e Redepharma.  No Brasil, cerca de 10 mil farmácias, filiadas a duas associações do setor, são parceiras na iniciativa. A campanha conta com diversos materiais digitais disponíveis para download em www.amb.com.br/sinalvermelho e todos podem ajudar a difundir a prática.

Veja como funciona o Sinal Vermelho:

• A mulher vítima de Violência Doméstica poderá pedir ajuda nas farmácias conveniadas.

• O sinal “X”, feito com batom vermelho (ou qualquer outro material), na palma da mão (ou pedaço de papel) permitirá à vítima identificar-se ao atendente em farmácias e drogarias, previamente cadastradas, para acionar a Polícia Militar.

• O atendente das farmácias e drogarias receberá uma cartilha e um tutorial com as orientações necessárias ao atendimento da vítima e acionamento da polícia.

• A vítima será acolhida pela Polícia Militar e ingressará no sistema de Justiça, com o apoio da rede de proteção.

• O atendente ou farmacêutico não terá responsabilidade de figurar como testemunha da ocorrência – será apenas comunicante.

Rodson Lima, Sejusp

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA