MATO GROSSO DO SUL

Imasul integra grupo de resgate e assistência à fauna atingida pelo fogo no Pantanal

Publicados

em

O Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) realiza deste o mês de setembro, em parceria com outras instituições de ensino e pesquisa, organizações não-governamentais (Ongs), empresas e organismos militares, um trabalho de resgate e reposição alimentar e hídrica aos animais silvestres atingidos pelos incêndios florestais que ocorrem no Pantanal e outras unidades de conservação.

No período crítico de focos de calor nos ecossistemas do Estado foi criado o Gretap/MS (Grupo de Resgate Técnico Animal do Pantanal), atuando inicialmente no Parque Estadual das Nascentes do Taquari, situado nos municípios de Alcinópolis e Costa Rica. Recentemente, foram resgatadas duas onças-pintadas na Serra do Amolar, Pantanal de Corumbá, em uma ação direta do grupo multi-institucional.

Resgate de animais feridos conta com o apoio aéreo da FAB, que também transporta alimentos para áreas de difícil acesso

Além do Governo do Estado, via Semagro (secretária de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, à qual está vinculado o Imasul), o grupo é formado por núcleos de amigos, produtores rurais, Ceasa, CCR Vias (concessionária da BR-163), Força Aérea Brasileira (FAB), Instituto Tamanduá, UCDB, UFMS, Instituto Homem Pantaneiro (IHP), Polícia Militar Ambiental (PMA), Conselho Regional de Veterinária, Fundação de Meio Ambiente de Corumbá e Grupo de Resgate de Animais em Desastres (GRAD).

Leia Também:  Suzano apoia projetos sociais de geração de renda para mulheres em Água Clara e Três Lagoas (MS)

Pontos estratégicos

“Designamos nossa equipe de veterinários do Imasul, que atua no CRAS, para auxiliar no trabalho de resgate e no atendimento clínico para a recuperação dos animais feridos nos incêndios no Pantanal. Além tratamento médico dos nossos veterinários, também auxiliamos na viabilização da logística junto às Forças Armadas, para o transporte de animais feridos e envio de alimentos para socorrer a fauna das áreas atingidas pelo fogo”, lembra o secretário Jaime Verruck.

O leque de atuação do grupo se ampliou com a mobilização da sociedade para arrecadar alimentos a serem destinados ao assistencialismo temporário aos animais silvestres, cujo trabalho se concentra na região da Serra do Amolar, uma das zonas de conservação mais atingidas pelos incêndios florestais. A distribuição dos alimentos e água ocorre de forma aleatória na natureza devastada, a partir de rotas de fuga e pegadas de animais.

Alimentos doados seguem pelo Rio, por mais de 170 km desde Corumbá, para distribuição em pontos estratégicos

“Considerando a situação de emergência devido aos incêndios, onde a perda de habitat causa um impacto imensurável à fauna silvestre, se faz necessário prover alimentação assistencial e/ou água em pontos estratégicos para nutrir e hidratar os animais devido à escassez e a competição mais acirrada entre eles devido ao aumento de indivíduos/área”, explicou a zootecnista Ana Paula Felício, do Imasul.

Leia Também:  Presidente diz que Brasil e o mundo não aguentam um novo lockdown

Alimentos são colocados em locais demarcados

Sobrevivência

O atendimento à fauna minimiza os impactos e reduz a competitividade atual entre os animais pelos alimentos que ainda restam na natureza. “Os animais resgatados apresentaram condições sérias de desidratação e desnutrição, além das queimaduras, com alguns não suportando os ferimentos e o quadro de debilidade”, observa Ana Paula. “Com o Gretap tornou-se possível cuidarmos de nossa castigada fauna até que seu habitat se recupere.”

Onças-pintadas: tratamento emergencial

A zootecnista do Imasul ressalta, porém, que este assistencialismo alimentar-hídrico é diferente do ato de cevar, pois este caracteriza-se pela oferta permanente de alimento com o intuito de atrair a fauna para o mero ato de satisfazer a necessidade humana. “A ação institucional, com o apoio e a solidariedade das pessoas, têm como foco atender os animais neste período crítico para aumentar suas chances de sobrevivência”, diz.

Texto: Sílvio de Andrade

Fotos: Divulgação

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO DO SUL

MS está entre os melhores e ocupa o 2º lugar no Ranking da Qualidade de Informação Contábil e Fiscal do Tesouro Nacional

Publicados

em

Mato Grosso do Sul se destaca como o 2° melhor estado do País no Ranking da Qualidade de Informação Contábil e Fiscal do Tesouro Nacional. O levantamento foi divulgado nesta quarta-feira (24) pela instituição, que fez uma avaliação em relação aos dados de 2020.

Novamente em destaque nacional, o Estado conseguiu obter 91,47 pontos, letra “A”, ficando na 2° posição entre os demais entes da federação. Só esteve atrás de Pernambuco, que obteve 92,6 pontos. A lista dos cinco melhores ainda aparece Rondônia (91,38), Espírito Santo (90,55) e Paraná (90,32). (Confira a lista completa).

Este ranking avalia a consistência das informações (contábeis e fiscais) que são enviadas pelos estados ao Tesouro Nacional, por meio do Siconfi (Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro), que logo depois disponibiliza estes dados ao acesso público.

A intenção é fomentar a melhoria da qualidade dos dados de cada estado, para que tais informações sejam usadas pelo Tesouro Nacional. O Governo do Estado mostra novamente que se preocupa com a transparência e modernização do sistema de informações em relação as suas receitas, contas e patrimônios.

Leia Também:  Covid-19: o que se sabe até agora da variante Ômicron

“Nós enviamos estes dados ao Tesouro de forma mensal, bimestral e quadrimestral, tendo que além de cumprir os prazos solicitados, atender as exigências requisitadas e ter qualidade nas informações enviadas. Esta avaliação positiva mostra que estamos no caminho certo”, destacou a Contadora Geral do Estado, Oraide Serafim Baptista Katayama.

Fonte: Tesouro Nacional

Evolução

Mato Grosso do Sul evolui no ranking do Tesouro Nacional, já que em relação a 2019 ocupava a 7° colocação entre os estados e agora já está na vice-liderança. Para conseguir melhorar no índice foram adotadas uma série de medidas que ajudaram nesta avaliação para 2020.

“Foram vários procedimentos adotados, entre eles maior rapidez para consolidar os dados mensais, até o 5° dia útil recebemos os dados de cada unidade, para consolidar e enviar no prazo certo ao Tesouro. Também começamos a registrar os dados patrimoniais em relação a todos os sistemas de informática do Estado e já começamos o levantamento também dos imóveis, para dar mais qualidade às informações”.

Oraide citou algumas mudanças em relação ao registro da receita do Estado, com a divulgação e envio de dados sobre estimativa e previsão de arrecadação, além de outros procedimentos para atender as exigências do Tesouro Nacional. “Desde 2008 houve mudança nas exigências e prazos do Tesouro Nacional e em 2018 criado o ranking entre os estados. Esta avaliação é muito importante e estamos no topo”.

Leia Também:  Selvíria é representada no Encontro Regional Costa Leste

Leonardo Rocha, Subcom
Foto: Edemir Rodrigues/Arquivo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA