MATO GROSSO DO SUL

Estado cria comitê para monitorar e definir eventuais ações de combate a gafanhotos

Publicados

em

Sem presença da praga no território estadual, autoridades e atores envolvidos na Agricultura se anteciparam e criaram um comitê para fazer o monitoramento e definir ações caso venha a ocorrer eventuais ataques de gafanhotos nas lavouras. O assunto foi tratado em reunião virtual realizada na manhã desta quinta-feira (25.6), com as presenças do secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck; do superintendente federal de Agricultura, Celso Martins; do superintendente de Produção e Agricultura Familiar da Semagro, Rogério Beretta, do presidente da Famasul, Maurício Saito; do presidente da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal), Daniel Ingold; André Dobashi (presidente) e Frederico Azevedo (diretor-executivo) da Aprosoja (Associação de Produtores de Soja).

“Essa praga já é conhecida e vem sendo monitorada há muitos anos, tendo sido formado, inclusive, um Comitê Internacional para fazer esse acompanhamento. Aqui no Estado nós estamos tomando ações preventivas. É importante deixar claro que não temos a ocorrência da praga em nenhuma lavoura de Mato Grosso do Sul. O que acontece é que recebemos informação da existência de focos na região do Alto Paraguai, no país vizinho. Não se trata de nuvem como na Argentina, apenas focos. Sabemos que num eventual trajeto em direção ao Brasil, o próprio Pantanal seria uma barreira natural. Mesmo assim estamos discutindo a forma de um combate preventivo, caso seja necessário. Para tanto um Comitê Estadual envolvendo a Semagro, Iagro, Famasul e Ministério da Agricultura, com apoio também do Imasul, que fará o monitoramento e tem autonomia para definir ações”, explicou o secretário Jaime Verruck.

Leia Também:  Homens são amarrados e tem mais de R$ 80 mil roubados durante assalto em Três Lagoas

O presidente da Famasul, Maurício Saito, disse que a entidade vai se mobilizar e solicitar aos produtores rurais para que informem sobre a presença da praga nas lavouras, caso venha a ocorrer, para que medidas imediatas sejam tomadas. André Dobashi, da Aprosoja, diz que um meio eficaz de combate à praga seria com uso de aeronaves. Reforçam, entretanto, que a criação do comitê é uma medida preventiva, tendo em vista que não há notícia da ocorrência da praga no Estado.

O Ministério da Agricultura baixou portaria declarando estado de emergência fitossanitária nas áreas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina devido a uma nuvem de gafanhotos oriundos da Argentina que ameaçavam alcançar o território brasileiro. A chegada de uma frente fria no Sul mudou a direção dos ventos, podendo fazer com que os insetos permaneçam em território argentino ou sejam desviados para o Uruguai.

Segundo informações do Senasa (o Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar da Argentina), os gafanhotos surgiram em grandes números em janeiro de 2017 na Bolívia e, posteriormente, foi registrado o mesmo problema no Paraguai. Os dois países receberam ajuda técnica da Argentina, dando origem ao Programa de Gerenciamento Regional de Gafanhotos da América do Sul, que hoje inclui acordos de cooperação técnica.

Leia Também:  Campanha sobre turismo de pesca em MS na pandemia ganha prêmio internacional de criatividade

João Prestes, Semagro

Foto: Governo da província de Córdoba/Fotos Públicas

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO DO SUL

Na volta às aulas, Reinaldo Azambuja destaca investimento de R$ 289 milhões em reformas de escolas

Publicados

em

Mais de 200 mil alunos da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul voltaram às aulas presenciais nesta segunda-feira (2) depois de 16 meses de ensino remoto, por causa da pandemia de Covid-19. Ao voltar às atividades de forma alternada e seguindo protocolos de biossegurança, a maioria dos estudantes encontrou escolas reformadas e equipadas.

Felipe de Souza: feliz com a volta às aulas presenciais

Um dos prédios novos entregues pelo Governo do Estado é o da Escola Estadual Vespasiano Martins, de Campo Grande, que atende 232 estudantes e foi revitalizado com R$ 2,9 milhões. “Muito bom poder voltar e encontrar tudo novo. A expectativa agora é grande, rever os amigos e estudar presencial. Será bem legal esse segundo semestre”, disse o jovem Felipe de Souza, do 2º ano do ensino médio.

Ao recepcionar os alunos da unidade na acolhida de volta às aulas, o governador Reinaldo Azambuja detalhou os investimentos que têm sido feitos na Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul, que vão das reformas em prédios à valorização dos servidores da Educação, entre professores e administrativos.

Essa escola passou por reforma completa. Reconstrução, melhorias e laboratórios que estão sendo feitos em praticamente todas as 347 escolas da Rede Estadual. Estamos com mais de R$ 289 milhões em investimentos. Só neste momento, mais de 132 escolas passam por reformas como essa do Vespasiano Martins. Isso faz parte do conjunto e do trabalho que estamos realizando no setor educacional”, afirmou.

Leia Também:  Prosseguir: Governo divulga regras de limite de ocupação nos estabelecimentos comerciais
Governador Reinaldo Azambuja destaca investimentos do governo na reforma de escolas e valorização de professores e administrativos da educação

Segundo o governador, a reestruturação da Rede contempla ainda a mudança no sistema de ensino. “Vamos entregar até 2022 praticamente 60% das 347 em escolas em tempo integral. Entendo que investimento em Educação é um conjunto, que vai da valorização dos profissionais da Educação aos alunos”, pontuou.

“Agora em outubro, enviaremos projeto de lei à Assembleia Legislativa para valorização dos administrativos, vou publicar também um novo concurso para professores e continuar fazendo a reestruturação da Rede, com laboratórios de tecnologia, salas de ciência e reformas de prédios”, completou.

Reinaldo Azambuja recepcionado pelos alunos da escola cívico-militar prof. Tito

Também nesta segunda-feira, o governador Reinaldo Azambuja inaugurou a construção do prédio da Escola Cívico-Militar Prof. Alberto Elpídio Ferreira Dias (Professor Tito). O prédio era uma obra inacabada que entrou no Programa das Escolas Cívico-Militares (Pecim), do Governo Federal, em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar, e vai atender 404 alunos.

Leia Também:  Rebeca Andrade conquista ouro para o Brasil na ginástica artística

A unidade foi construída com R$ 4,4 milhões e possui 14 salas de aula e quadra de esportes coberta com arquibancada, totalizando 3,6 mil m² de área construída. A unidade ainda tem biblioteca, cantinho da leitura, sala de informática, cantina, despensa, área de descanso, espaço de múltiplo uso e um palco, além de toda estrutura administrativa e banheiros, todos com acessibilidade.

Acompanharam o governador no acolhimento de volta às aulas a secretária estadual de Educação, Maria Cecília Amendola da Motta, e o adjunto da pasta, Édio Rezende; o secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, Antonio Carlos Videira; o secretário estadual de Relações Institucionais e Assuntos Estratégicos de Mato Grosso do Sul em Brasília, Pedro Chaves; o diretor-presidente da Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul (Fundesporte), Marcelo Miranda; e os comandantes do Corpo de Bombeiros, coronel Hugo Djan, e da Polícia Militar, coronel Marcos Paulo Gimenez.

Bruno Chaves, Subcom

Fotos: Chico Ribeiro

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA