INTERNACIONAL

Molécula rara em Vênus pode sinalizar presença de vida extraterrestre

Concentração de molécula pode ser resultado de atividade orgânica

Publicados

em

  1. Um grupo internacional de astrônomos anunciou nesta segunda-feira (14) a presença da fosfina na atmosfera venusiana. O estudo foi publicado na revista Nature Astronomy – periódico britânico científico especializado em artigos científicos.

De acordo com a pesquisa, na Terra, a fosfina – ou hidreto de fósforo (PH3) – só pode ser encontrada decorrente de dois processos: ou pela fabricação de forma industrial ou pela ação de micróbios que se desenvolvem em ambientes sem oxigênio – chamados anaeróbicos. Utilizando telescópios avançados, a equipe formada por astrônomos do Reino Unido, Estados Unidos e Japão pôde confirmar a presença da molécula em Vênus. A primeira detecção ocorreu pelo Telescópio James Clerk Maxwell (JCMT), operado pelo Observatório do Leste Asiático no Havaí.

“Quando descobrimos os primeiros indícios de fosfina no espectro de Vênus, ficamos em choque!”, declarou a líder da equipe internacional Jane Greaves, da Universidade de Cardiff, no Reino Unido. Para confirmação do achado, foram usadas 45 antenas do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) – instalação astronômica no Chile, do qual o ESO – Observatório Europeu do Sul – é parceiro.

O telescópio, considerado muito mais sensível, localizou pequenas concentrações da fosfina na atmosfera de Vênus, cerca de 20 moléculas em cada bilhão. Com base em cálculos, descartou-se que a quantidade observada seria decorrente de processos não biológicos naturais no planeta, como a luz solar, ou a ação de vulcões e relâmpagos, por exemplo. No caso destas fontes, seriam criados, no máximo, dez milésimos da quantidade de fosfina identificada no planeta.

Leia Também:  46 cidades de MS estão sob alerta de tempestade e até granizo

Já que, segundo a análise, não seriam estes processos responsáveis por criar a quantidade de fosfina liberada, os cientistas passaram a considerar, então, a possibilidade que um tipo de organismo possa ser fonte deste biomarcador. A equipe destaca que na Terra, as bactérias expelem a fosfina ao retirar o fosfato de minerais ou de material biológico, acrescentando hidrogênio. Mas, qualquer organismo no planeta vizinho, ressalta o estudo, “provavelmente será muito diferente dos primos terrestres.”

Atmosfera ácida

Os astrônomos veem esta descoberta como bastante significativa, mas reconhecem muito trabalho pela frente para confirmar presença de ”vida”. Isso porque a atmosfera de Vênus é extremamente ácida, com cerca de 90% de ácido sulfúrico, o que dificultaria a sobrevivência de micróbios, destaca o Observatório Europeu do Sul.

Esta incógnita é apontada como desafio pela integrante da equipe, Clara Sousa Silva, do Massachusetts Institute of Technology nos Estados Unidos, que investiga a liberação de fosfina como uma bioassinatura de gás de vida anaeróbica em planetas que orbitam outras estrelas.

Leia Também:  Nitazoxanida reduz carga viral de pacientes com covid-19, diz pesquisa

“Encontrar fosfina em Vênus foi um bônus inesperado. A descoberta levanta muitas questões, tais como é que os organismos poderão sobreviver na atmosfera do planeta vizinho. Na Terra, alguns micróbios conseguem suportar até cerca de 5% de ácido no seu meio — mas as nuvens de Vênus são quase inteiramente feitas de ácido”, diz a pesquisadora.

Embora a descoberta aumente as expectativas quanto à existência de vida fora da Terra, o astrônomo do ESO e gerente de operações do ALMA na Europa, Leonardo Testi, diz que a missão agora é investigar a origem química da fosfina. ”É essencial acompanhar este intrigante resultado com estudos teóricos e observacionais para excluir a possibilidade de que a fosfina em planetas rochosos possa ter também uma origem química diferente da Terra”, diz Testi.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

INTERNACIONAL

Sally ruma para costa dos EUA e pode causar inundação histórica

Quase 11 mil casas estão ameaçadas por marés de tempestade

Publicados

em

O Furacão Sally se aproximou ainda mais da costa dos Estados Unidos, no Golfo do México, na manhã desta terça-feira (15), e pode causar inundações históricas, alertou o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos EUA, uma vez que se espera mais de 61 centímetros de chuva em algumas áreas.
Os ventos do Sally, a segunda tempestade intensa a ameaçar a região em menos de um mês, diminuíram para 140 quilômetros por hora (km/h) e, na manhã desta terça-feira (15), o furacão estava a 100 quilômetros a leste da foz do Rio Mississippi, movendo-se a uma velocidade de 3,2 km/h, disse o NHC.
A tempestade pode atingir os litorais de Mississippi, Alabama e Flórida nesta terça-feira com inundações relâmpago e marés de tempestade intensas de até 2,5 metros em certos locais. A velocidade lenta de deslocamento lembra o furacão Harvey, de 2017, que levou vários metros de chuva à área de Houston durante vários dias.
Quase 11 mil casas estão ameaçadas por marés de tempestade nas grandes cidades litorâneas de Alabama e Mississippi, de acordo com estimativas da empresa de dados de propriedades e de análises CoreLogic.
Sandy Stimpson, prefeito de Mobile, no Alabama, alertou os moradores que antevê “uma quantidade enorme de inundações” e disse que a cidade está montando barricadas em cruzamentos que podem ser atingidos pela elevação das águas.
Os governadores do Alabama, Mississippi e Louisiana pediram retiradas de moradores de áreas baixas, e o presidente dos EUA, Donald Trump, emitiu declarações de emergência para os três estados, o que ajuda com a coordenação do auxílio a desastres.
Portos, escolas e negócios fecharam ao longo da costa. A Guarda Costeira dos EUA restringiu as viagens na parte inferior do Rio Mississippi entre Nova Orleans e o Golfo e interditou os portos de Pascagoula e Gulfport, no Mississippi, e de Mobile.
Empresas de energia protegeram ou fecharam refinarias de petróleo e retiraram funcionários de plataformas marítimas de produção de petróleo e gás. Mais de um quinto da produção de petróleo norte-americana em alto mar foi interrompido.
O Mississippi parece o local mais provável para a chegada do Sally ao continente, mas sua maior ameaça é causar chuvas em uma faixa ampla da Costa do Golfo, chegando a algo entre 7,6 e 10 centímetros mesmo em áreas terrestres distantes como Atlanta, disse Jim Foerster, meteorologista-chefe do DTN, um provedor de dados climáticos de energia, agricultura e clima.
O Sally é a 18ª tempestade batizada do Atlântico neste ano e será a oitava tempestade tropical ou furacão a se abater sobre os EUA, algo “muito raro, senão um recorde”, disse Dan Kottlowski, meteorologista veterano da AccuWeather, observando que dados precisos de tempestades tropicais históricas podem ser difíceis de obter.
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Bolivianos são flagrados atravessando fronteira com R$ 1,5 milhão em táxi
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA