GERAL

Agressões contra crianças aumentaram na pandemia, diz especialista

Maus-tratos devem ser denunciados a órgãos como os conselhos tutelares

Publicados

em

O Conselho Estadual de Defesa da Criança e do Adolescente (CEDCA) informou que publicará em seu site nota técnica sobre todos os procedimentos que devem ser adotados em casos de agressão contra menores de idade. O texto será submetido à assembleia plena do conselho para aprovação.

O presidente da instituição, Carlos André Moreira dos Santos, disse que o tema é pauta prioritária da instituição. “Além de ser um órgão deliberativo e fiscalizador, o conselho estadual é um órgão de controle social que vai acolher as denúncias e cobrar das autoridades competentes, para que sejam tomadas as devidas providências”, acrescentou.

Pessoas com suspeita de que uma criança está sendo vítima de maus-tratos podem denunciar o caso aos conselhos tutelares, às polícias Civil e Militar, ao Ministério Público e também pelo canal Disque 100, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

O professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC Rio), Daniel Monnerat, especializado em psiquiatria infantil, explicou que, diferentemente de pacientes adultos, uma criança vítima de violência pode apresentar quadros de depressão e ansiedade. Além de perda de interesse em atividades antes prazerosas e humor deprimido, esses quadros podem ser caracterizados por aumento de irritabilidade, isolamento social, alterações de sono e no apetite.

Monnerat esclareceu que as crianças podem passar a comer mais ou menos, como uma atitude compensatória para suprir a ansiedade, por exemplo, de estarem sofrendo agressões verbais ou físicas. Esses são, segundo o especialista, os principais pontos que devem ser observados.

“A criança pode apresentar, indiretamente, esses sinais ou sintomas, mostrando que é preciso investigar e esclarecer se essas agressões podem estar acontecendo ou não”. Para o professor, quanto mais nova uma criança e mais cedo é vítima de agressão, mais dificuldade, muitas vezes ela tem de verbalizar o que esteja sofrendo. É preciso que pais e responsáveis tenham sensibilidade para entender os sinais e sintomas de uma possível agressão contra os menores.

Acompanhamento

De acordo com o médico, o tratamento psiquiátrico para uma criança vítima de maus-tratos tem de ser particularizado, caso a caso. “Porque não sabemos se essa criança que está sofrendo alguma agressão moral ou física já apresentava algum diagnóstico psiquiátrico prévio”.

Ele disse que, de qualquer maneira, o acompanhamento tende a ser multiprofissional. Ou seja, envolve acompanhamento psiquiátrico, “medicando ou não a criança, de acordo com os sintomas mais ou menos exuberantes que possam interferir de maneira mais incisiva na rotina de vida dela” e buscando apoio de psicólogos e pediatras. Acrescentou que sinais observados no exame físico ou na consulta podem servir para que se faça uma intervenção que permita interromper aquele processo de agressão ao qual o menor esteja sendo submetido.

O presidente do Departamento Científico de Segurança da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Marco Gama, afirmou que as principais causas de morte em crianças acima de 1 ano até os 19 anos de idade no país são violência e acidentes. “Não são as doenças infectocontagiosas”. Advertiu que, em geral, as pessoas não têm essa visão. O pediatra avaliou, por outro lado, que as mortes por violência e acidentes são evitáveis, mas faltam ações para que esses números sejam reduzidos.

Leia Também:  Prefeito José Fernando viaja a Brasília e visa pautas sobre aceleração do Programa Titula Brasil e fomento a agricultura familiar

No período de 2010 a agosto de 2020, 103,149 mil crianças e adolescentes de até 19 anos de idade morreram vítimas de agressões no Brasil. Os óbitos por agressões e suas causas podem ser conferidos no Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde, obedecendo a Classificação Internacional de Doenças (CID-10).

Até 4 anos

Os números analisados pela SBP mostram que, entre 2010 e agosto do ano passado, 2,083 mil crianças mortas por maus-tratos estavam na faixa etária de zero a 4 anos de idade. Essa era a idade do menino Henry Borel, vítima de suposta violência em casa que o levou à morte, no último dia 8 de março.

Embora os números relativos a 2020 ainda sejam preliminares, a análise da década revela que as agressões por meio de disparo de outra arma ou de arma não especificada lideram os óbitos entre crianças e jovens, totalizando 76,528 mil casos. Na faixa até 4 anos, esse tipo de agressão causou 386 mortes nos últimos dez anos. Em seguida, aparecem as agressões por meio de objeto cortante ou penetrante, com 10,066 mil mortes entre crianças e adolescentes de até 19 anos.

De acordo com o Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde, as agressões por meios não especificados foram as causas de 451 mortes de crianças até 4 anos no período investigado, seguidas por agressões por meio de objeto contundente (254), por outras síndromes de maus-tratos (190) e por agressões por meio de objeto cortante ou penetrante (164).

Violência é doença

Marco Gama esclareceu que embora a mortalidade seja alta, o número de vítimas de agressão é muito superior. Em 2018, por exemplo, foram 140 mil crianças e adolescentes agredidos. “Isso é subnotificado”, disse. O total de crianças de zero a 4 anos de idade foi de 32 mil, “também subnotificado”, nesse ano. “É um número crescente, a cada ano que passa, de crianças sendo mais agredidas”.

Segundo o pediatra, um conceito que a sociedade precisa entender é que violência para a criança é uma doença crônica, “porque ela tem uma história, tem exame clínico, laboratorial e de imagem, tem tratamento e encaminhamento”. O médico lembrou que o problema dessa doença, principalmente em sua parte crônica, é que ela vai se perpetuando em muitas famílias. O filho de um pai violento, se não morre em decorrência das agressões, acaba se tornando também violento. “Nessa família, a violência é uma coisa crônica, que vai se perpetuando enquanto não for interrompida”.

Muitas vezes, a criança é tirada dos pais e devolvida aos avós, que são os agressores iniciais do processo e aí começa tudo de novo, observou Gama. Ele assegurou que ninguém nasce violento. A criança vai, ao longo do sofrimento de vários tipos, se tornar um adulto violento e até um homicida. “Como pode não se tornar, como essa criança que faleceu”, disse o pediatra, referindo-se ao menino Henry Borel cuja mãe, Monique Medeiros, e o namorado dela, vereador Dr. Jairinho, foram presos, investigados pela morte da criança.

Leia Também:  Polícia Militar prende homem por posse irregular de arma de fogo em Selvíria.

Marco Gama afirmou que não só o número de óbitos por maus-tratos é grande, mas também o de sequelados, envolvendo sequelas físicas, de retardo do desenvolvimento físico, psíquico, cognitivo. “Tem criança que não consegue ter bom nível de aprendizado devido à violência que sofreu. É um processo gigantesco que acontece todos os dias”.

Para ele, o caso do menino Henry Borel ganhou visibilidade pelo fato de ser de família de classe média. O pediatra lembrou, entretanto, que a violência acontece em todas as classes sociais, todas as etnias, todas as religiões, e os pais são de todos os níveis de escolaridade. “Todos são violentos”.

Pandemia

Na análise do presidente do Departamento Científico de Segurança da SBP, embora não haja ainda estatísticas oficiais, “seguramente” o número de violência contra crianças e jovens cresceu durante a pandemia de covid-19. Marco Gama observou que a criança poderia pedir socorro a um vizinho, à professora ou a um colega na escola, a um padrinho com quem tenha proximidade afetiva. Mas, com o isolamento social imposto pela pandemia, a criança que sofre maus-tratos está limitada ou presa no ambiente domiciliar.

As estatísticas mostram que, em 2018, 83% dos agressores foram o pai ou a mãe e que mais de 60% das agressões foram cometidas dentro das residências. “A pandemia propiciou o conjunto ideal para o agressor”. O mesmo ocorreu em relação às mulheres, com a expansão de feminicídios, destacou. “As agressões aumentaram durante a pandemia e as chances de defesa das crianças diminuíram”.

Gama defendeu a criação de uma rede técnico-científica para combater os maus-tratos contra as crianças e adolescentes, “porque violência, como doença, é caso médico, mas como agressão, é caso de polícia”. É preciso, segundo o pediatra, tratá-la nas duas instâncias, interromper esse processo e cuidar precocemente das vítimas.

Para Marco Gama, a rede de proteção aos menores tem de ser mais efetiva, mais ágil e conhecer melhor a violência. Essa rede envolveria a SBP, a Justiça, a Polícia Civil, o Ministério Público. A SBP tem um projeto nesse sentido, que começou a ser elaborado. Gama citou o caso da organização não governamental (ONG) Dedica, da Associação dos Amigos do Hospital de Clínicas de Curitiba, que há 13 anos atende crianças e adolescentes que vivem em situação de violência.

A presidente da SBP, Luciana Rodrigues Silva, observou que “o Brasil precisa estar preparado para, por meio da efetiva implementação das políticas de prevenção à violência na infância e na adolescência, garantir ações articuladas entre educação, saúde, segurança e assistência social”.

Luciana comentou que o tratamento humilhante, os castigos físicos e qualquer conduta que ameace ou ridicularize a criança ou o adolescente, quando não letais, podem ser extremamente danosos à formação da personalidade e como indivíduos para a sociedade, bem como interferem negativamente na construção da sua potencialidade de lutar pela vida e no equilíbrio psicossocial. “Nascer e crescer em um ambiente sem violência é imprescindível para que a criança tenha a garantia de uma vida saudável, tanto física quanto emocional”.

Edição: Graça Adjuto

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

No Dia das Mães, Suzano reforça cuidados com o bem-estar de colaboradores e apoio às famílias durante a pandemia

Com diversas ações para promover a saúde física e emocional de funcionários e funcionárias, companhia também buscou acolher e apoiar mães e responsáveis no processo de adaptação das rotinas diárias

Publicados

em

Desde março do ano passado, a Suzano, referência global na fabricação de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, tem adotado uma série de ações para amenizar os impactos da pandemia de coronavírus dentro e fora das unidades. Por isso, nesse Dia das Mães, a companhia reforça os cuidados com o bem-estar e a saúde emocional de seus colaboradores e familiares, o que inclui atenção especial para mães, pais e responsáveis durante o processo de adaptação à nova rotina imposta pela pandemia e enquanto durar essa crise sanitária.

De acordo com Ângela Aparecida dos Santos, gerente de Gente e Gestão da Unidade Três lagoas da Suzano, com a suspensão das aulas presenciais em boa parte dos municípios brasileiros, muitas mães tiveram de se desdobrar para seguir com o trabalho, seja remoto ou presencial, e atender às novas necessidades de filhos e familiares, o que exigiu, por parte das empresas, também um olhar mais humanizado para seus colaboradores, colaboradoras e familiares.

“A pandemia impôs uma nova realidade ao mundo, foram muitas as mudanças na vida dos nossos colaboradores e colaboradoras, principalmente das mães, pais e responsáveis, que tiveram que se desdobrar para seguir com suas carreiras e dar conta da nova rotina que surgiu com os filhos em casa por conta do ensino remoto e outros cuidados. Por isso, além das rigorosas medidas de biossegurança, a Suzano teve a sensibilidade de olhar também para a saúde emocional de seus colaboradores e familiares, fornecendo orientações, dicas online de atividades de lazer e apoio profissional para auxiliar todo o nosso time nesse processo”, completa Ângela.

Marcela Costa Coimbra Lopes está entre as muitas mães que tiveram de se ajustar à nova realidade. Aos 38 anos, e mãe de quatro filhos, os gêmeos Misael e Michel, de 17 anos, Nicolas (7 anos) e Nicole (2 anos), Marcela tem se desdobrado para dar conta do trabalho, da rotina dos filhos e dos próprios estudos, que também passaram a ser remotos. A motorista cursa o terceiro ano de Direito.  “Tem sido um pouco difícil por causa das crianças menores, que não estão indo para a escola. Tenho uma babá que me ajuda. Mesmo assim, quando estou de folga, me desdobro para dar atenção às crianças e estudar, quando encontro uma folga corro para assistir minhas aulas.  Estou trabalhando presencialmente, mas a Suzano realiza a higienização total do caminhão na troca de motoristas, temos álcool em gel nos caminhões e máscaras à disposição. Sempre tive apoio necessário da Suzano em casos de urgências familiares. Já precisei me ausentar, graças a Deus não era nada grave, mas tive todo apoio do meu supervisor. Essa sensibilidade é muito importante. E, em troca, nós trabalhamos igual ou mais”, ressalta.

Leia Também:  Profissionais da Rede Municipal de Ensino começam a ser vacinados em Selvíria contra a Covid-19

Para Marcela, trabalhar na Suzano é um sonho realizado e motivo de orgulho para o pai, motorista de ônibus no Rio de Janeiro.  A motorista é hoje uma das três mulheres à frente do Hexatrem, maior caminhão do Brasil e um dos maiores do mundo.

Replanejamento

Assim como Marcela, Michelle Oliveira de Almeida Stricker, 39 anos, também teve de encontrar um novo caminho para conciliar atividades de rotina, cuidado com as filhas e home office em tempos de pandemia. Mãe das pequenas Mariana (9 anos) e Manuela (4 anos), a analista de Desenvolvimento Social da Suzano teve sua rotina transformada março de 2020, quando iniciou o home office. As filhas também passaram para o ensino remoto.

“Administrar o trabalho intenso, o trabalho em casa e as aulas online das meninas tem sido muito desafiador. Precisei me replanejar totalmente. A Suzano nos apoia nesse processo sendo flexível com horários de reuniões, almoço e, quando necessário, liberação de alguns dias. A empresa é muito acolhedora, sempre preocupada com nossa saúde emocional, propondo atividades para apoiar as crianças nesse momento de isolamento”, ressalta. A analista completa: “Sou muito grata à Suzano, pois nesse momento delicado estou em casa, em proteção, com saúde e junto com a minha família, que é meu bem maior”, finalizou.

Leia Também:  No Dia das Mães, Suzano reforça cuidados com o bem-estar de colaboradores e apoio às famílias durante a pandemia

Cuidados com a saúde emocional

Dentre as iniciativas da Suzano visando garantir a saúde emocional de seus colaboradores e familiares, estão: compartilhamento frequente de informações, inclusive com familiares; disponibilização de apoio psicológico virtual, canais de apoio, webinars de saúde, qualidade de vida e pesquisa termômetro de sentimentos com colaboradores e colaboradoras.

Além disso, desde o ano passado, a Suzano mantém rígidas medidas de proteção e biossegurança, que incluem: distribuição de máscaras para colaboradores em operação, distanciamento social, medição de temperatura corporal na chegada às fábricas, ampliação da frequência de limpeza e higienização de áreas comuns; aquisição de kits para teste; home office (exceto para atividades que demandam presença in loco), triagem e redução do número de passageiros nos ônibus de transporte de funcionários.

Mais informações sobre as ações da Suzano no enfrentamento ao coronavírus em suas unidades e nas comunidades onde atua podem ser acessadas na página Suzano contra a Covid-19 (https://www.suzanocontraocoronavirus.com.br/).

Sobre a Suzano

Suzano é referência global no desenvolvimento de soluções sustentáveis e inovadoras, de origem renovável, e tem como propósito renovar a vida a partir da árvore. Maior fabricante de celulose de eucalipto do mundo e uma das maiores produtoras de papéis da América Latina, atende mais de 2 bilhões de pessoas a partir de 11 fábricas em operação no Brasil, além da joint operation Veracel. Com 97 anos de história e uma capacidade instalada de 10,9 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papéis por ano, exporta para mais de 100 países. Tem sua atuação pautada na Inovabilidade – Inovação a serviço da Sustentabilidade – e nos mais elevados níveis de práticas socioambientais e de Governança Corporativa, com ações negociadas nas bolsas do Brasil e dos Estados Unidos. Para mais informações, acesse: www.suzano.com.br

Informações à Imprensa

Performa Comunicação

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA