ECONOMIA

Dólar encosta em R$ 5 com dados de inflação nos Estados Unidos

Bolsa cai 1,51% e fecha no menor nível em um mês

Publicados

em

Em mais um dia de nervosismo no mercado internacional, o dólar teve forte alta e encostou em R$ 5. A bolsa de valores caiu para o menor nível em um mês e encerrou a semana com perdas de mais de 5%.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (10) vendido a R$ 4,986, com alta de R$ 0,073 (+1,49%). A cotação operou em alta durante todo o dia, chegando a R$ 5,01 na máxima da sessão, por volta das 11h30.

A moeda norte-americana atingiu o maior valor desde 16 de maio, quando tinha encerrado em R$ 5,052. Apenas nesta semana, o dólar subiu 4,39%. A divisa acumula alta de 4,9% em junho, mas cai 10,58% em 2022.

O mercado de ações também teve um dia turbulento. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 105.481 pontos, com recuo de 1,51%. O indicador está no menor nível desde 11 de maio. Nesta semana, o índice caiu 5,06%, a maior baixa semanal desde outubro do ano passado.

O dólar subiu e as bolsas de valores caíram em todo o planeta após a divulgação de dados da inflação dos Estados Unidos. O Índice de Preços ao Consumidor norte-americano atingiu 1% em maio. Em 12 meses, o indicador chega a 8,6% e está no maior nível desde 1981, pressionado pelo preço dos combustíveis em meio à guerra entre Rússia e Ucrânia.

Leia Também:  Grupo chileno vai investir R$ 15 bilhões para construir a quinta fábrica de celulose de MS

Preços mais altos nos Estados Unidos aumentam a expectativa de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) endureça a política de altas dos juros. Taxas mais altas em economias avançadas estimulam a fuga de recursos de países emergentes, como o Brasil.

As bolsas norte-americanas também tiveram forte queda nesta sexta. O índice Dow Jones, das empresas industriais, caiu 2,73%. O Nasdaq, das empresas de tecnologia, recuou 3,52%. O S&P 500, das 500 maiores empresas, teve baixa de 2,91%. Quando as bolsas caem em países desenvolvidos, investidores retiram recursos do Brasil para cobrirem prejuízos no exterior.

*Com informações da Reuters

Edição: Nádia Franco

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Inflação medida pelo IGP-DI fica em 0,69% em maio, diz FGV

Índice acumula taxa de 10,56% em 12 meses

Publicados

em

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), teve inflação de 0,69% em maio deste ano. A taxa é superior à registrada no mês anterior (0,41%) mas inferior à observada em maio de 2021 (3,40%).

Com o resultado, o índice acumula taxa de 10,56% em 12 meses, menos do que um terço daquela apurada em maio de 2021 (36,53%).

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que analisa o atacado, subiu de 0,19% em abril para 0,55% em maio, enquanto o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) passou de 0,95% para 2,28%.

Por outro lado, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede o varejo, teve queda na taxa de inflação, ao passar de 1,08% em abril para 0,50% em maio.

 

Edição: Valéria Aguiar

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Com adesão de municípios, Programa “Bem Nascer MS” projeta avanços na saúde materno-infantil
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA