CIDADES

MS planeja vacinar 890 mil pessoas nas 3 primeiras fases do plano estadual de Imunização

Segundo o documento, profissionais da saúde, idosos e comunidades indígenas serão os primeiros grupos a serem imunizados

Publicados

em

Agência Estado

O Governo de Mato Grosso do Sul divulgou neste sábado (16) um plano estadual de imunização contra a Covid-19. De acordo com o documento, o trabalho será dividido em três fases e a estimativa é que nelas sejam imunizadas 890.623 pessoas.

Segundo o documento, que contém 39 páginas, na primeira fase serão contemplados: trabalhadores da saúde, população idosa a partir dos 75 anos de idade, pessoas com 60 anos ou mais, institucionalizadas (como asilos e instituições psiquiátricas), população indígena e povos e comunidades tradicionais ribeirinhas.  

Já na segunda, estarão imunizadas pessoas acima dos 60 anos. Por fim, na terceira fase serão contempladas pessoas com comorbidades que apresentam maior chance para agravamento da doença (como portadores de doenças renais crônicas, cardiovasculares, entre outras).

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES), na primeira fase a estimativa é imunizar 211.633; na segunda, 273.614, e na terceira, 228.049. 

Uma parcela de 177.327, que engloba pessoas acima de 80 anos, profissionais de segurança pública, educação, entre outros, não foram especificadas como prioritários pelo Ministério da Saúde.  

Porém, eles foram eliminados no documento e devem ser imunizados em uma quarta fase.  

Contudo, a estimativa populacional do Ministério da Saúde no estado dos grupos prioritários é de 890.623, o que corresponde a necessidade de 1.781.246 vacinas.  

Armazenamento

A Rede de Frio Estadual está atualmente de uma câmara refrigerada com volume de 100 (m³) temperatura de + 2ºC à + 8ºC e outra com volume de 50 (m³) temperatura de + 2ºC à + 8ºC, porém está inativa, mas segundo o documento está em processo de reparos. 

A capacidade atual de armazenamento de vacinas (rotina e campanha) é de 2.250.000 (dois milhões e duzentos e cinquenta mil) doses de vacina.  

Além disso, o plano revela que a estrutura estadual conta também com 09 (nove) Núcleos Regionais de Saúde (NRS) que fornece, armazenam e distribuem os imunobiológicos para os municípios, sendo que estes também possuem unidades refrigeradas localizadas para esse acondicionamento.  

O Estado ainda possui 597 salas de vacina distribuídas nos 79 municípios, que são capazes de acondicionar imunobiológicos – vacinas, soros e imunoglobulinas a uma temperatura de 2 ° a 8 ° C.

Operação de Guerra

A SES já havia antecipado que o Governo se prepara para uma “operação de guerra” para imunização e distribuição das vacinas em Mato Grosso do Sul. 

A estratégia de vacinação será uma tarefa tarefa utilizando os profissionais de saúde e segurança do Estado para otimizar a distribuição e aplicação da vacina, em parceria com as Secretarias Municipais de Saúde de MS.  

Na oportunidade, o diretor de Saúde e assessor técnico do Corpo de Bombeiros Militar na SES, coronel Marcello Fraiha, explicou que será montada uma estratégia inédita utilizando toda estrutura à disposição. 

“Com a ajuda das políticas de segurança vamos entregar as vacinas para os municípios de forma mais rápida, realizando uma estratégia de imunização nunca vista em Mato Grosso do Sul”, disse.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  O Prefeito José Fernando recebe moção de congratulação da Deputada Estadual Mara Caseiro, pela sua eleição de 2º Vice Presidente da ASSOMASUL.
Propaganda

CIDADES

Prefeitos de MS decidem que volta às aulas será on-line antes do retorno de forma presencial

Gestores preferem aguardar a continuidade do calendário de vacinação no Estado

Publicados

em

Prefeitos de cidades de Mato Grosso do Sul decidiram retornar de forma on-line por mais 30 dias antes da volta às aulas presenciais nas escolas municipais, durante assembleia-geral nesta terça-feira (23), na sede da Assomasul (Associação dos Municípios de MS), em Campo Grande.

A decisão saiu após discussão sobre o cumprimento do protocolo de biossegurança, uma vez que a maioria dos presentes à reunião entendeu que não é momento para o retorno do ano letivo diante da gravidade da pandemia do coronavírus.

Além disso, os gestores preferem aguardar a continuidade do calendário de vacinação no Estado.

Por meio de deliberação, a diretoria da Assomasul entende necessária a prorrogação para iniciar as aulas em abril para que os municípios se adequem ao Protocolo de Retorno as Aulas, entre outros aspectos, diante da dificuldade de entrega dos insumos e EPIs (equipamento de proteção individual) licitados para cumprir as exigências de biossegurança.

A ideia inicial defendida por alguns era que os municípios seguissem o calendário escolar defendido pela SES (Secretaria de Estado de Educação), que prevê volta às aulas no dia 1º de março. Outra justificativa apontada na reunião foi a eleição de 38 novos prefeitos, uma vez que não houve tempo suficiente para ter transição de cargos.

Leia Também:  Prefeito José Fernando recebeu em seu gabinete ontem(02/03), mais um empresário com intenção de instalar sua empresa em Selviria.

Opiniões

Antes da votação sobre o retorno às aulas ou não, o presidente da Assomasul e prefeito de Nioaque, Valdir Júnior (PSDB), ouviu a opinião dos colegas.

O prefeito de Aquidauana, Odilon Ribeiro (PSDB), sugeriu equilíbrio no momento como forma de prevenir novas contaminações, principalmente de professores e alunos.

O gestor também disse que o controle de crianças com uso de máscaras e distanciamento social é complicado, a exemplo de outros colegas prefeitos que se manifestaram no encontro.

“Outro problema são as aulas remotas. Aquidauana tem dificuldade até de sinal de celular, imagine sinal de internet”, acrescentou.

O prefeito de Douradina, Jean Fogaça (PSDB), sugeriu o retorno às aulas somente quando todos os professores forem vacinados. Ele também pontuou as dificuldades para o cumprimento do calendário escolar alegando uma série de fatores.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA