BRASIL

Pequenas indústrias brasileiras têm desempenho e faturamento positivo no 3º tri

Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que a satisfação com o lucro operacional e as iniciativas para facilitar o acesso ao crédito estão relacionados ao cenário positivo no terceiro trimestre

Publicados

em

Perspectivas da pequena indústria são favoráveis Mariangela Ctr

O terceiro trimestre de 2021 foi positivo para os pequenos empresários industriais, de acordo com o panorama divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta segunda-feira (8).

O Índice de Desempenho do setor, que leva em consideração as indústrias extrativa, de transformação e construção, alcançou a média de 48,3 pontos. O resultado é 1,8 ponto superior ao registrado no segundo trimestre deste ano e 5 pontos acima da média histórica, que teve início em 2012.

Os indicadores da pesquisa variam de 0 a 100 e, quanto mais alto o valor, maior a evolução. Em relação à condição financeira da pequena indústria, o faturamento não se alterou tanto em relação ao segundo trimestre, ficando em 42,6 pontos, uma alta de 0,3. Quando a comparação é feita com o mesmo período de 2020, há um aumento de 0,7 pontos no rendimento.

De acordo com os pesquisadores, a melhora financeira está ligada à satisfação com o lucro operacional e com as iniciativas para facilitar o acesso ao crédito.

“O acesso ao crédito é relevante, principalmente em um contexto de reestruturação das empresas, que vêm reagindo a um período atípico da pandemia. O governo federal vem implementando medidas que contribuem para a melhora. Um exemplo é o Programa Nacional de Apoio às Microempresas de Pequeno Porte (Pronampe), aprovado permanentemente em junho” afirmam no estudo.

Leia Também:  MS registra surto de doença ‘mão-pé-boca’ em crianças

Principais problemas para os pequenos empresários da área

A falta ou o alto custo de matéria-prima são apontadas pelas micro e pequenas indústrias de transformação e construção como o principal problema que enfrentam. A queixa em relação à matéria-prima nesses setores vem há um ano e três meses.

Já os empresários das indústrias extrativas relatam que o principal desafio é a elevada carga tributária.

O estudo mostra que a questão energética é um ponto de atenção, já que o país vive uma crise hídrica. No ranking dos principais problemas, por exemplo, também está o alto custo da energia.

Apesar dos problemas, os pequenos empresários seguem otimistas. Mesmo com uma queda de 0,7 ponto no Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) em relação ao segundo trimestre, os 56,9 pontos atuais permanecem acima da linha divisória dos 50 pontos.

Além disso, o resultado é superior à média histórica de 52,6 pontos. Dessa forma, os pesquisadores afirmam que a confiança no setor é elevada e difundida.

Quanto ao futuro

As perspectivas da pequena indústria são favoráveis e registram 51 pontos em outubro. O valor é 1,1 ponto menor que o de setembro e 1,4 ponto menor do que o registrado em outubro de 2020. Apesar da queda, o índice mostra perspectivas estáveis, já que se encontra bem acima da média histórica, de 46,3 pontos.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Proibição a voos de 6 países africanos para o Brasil começa hoje

Descoberta da variante Ômicron do coronavírus fez com que países, agora incluindo o Brasil, retomassem medidas restritivas

Publicados

em

Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, exibe mensagem sobre o coronavírus Foto: Carol Coelho/Getty Images

Começa a valer nesta segunda-feira (29) as restrições no Brasil a voos que tenham origem ou passagem por República da África do Sul, República de Botsuana, Reino de Essuatíni, Reino do Lesoto, República da Namíbia e República do Zimbábue.

A medida foi implementada em face da descoberta da variante Ômicron do coronavírus, identificada na África do Sul e motivo de atenção dos países. A Ômicron foi classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma variante de preocupação.

A portaria que ampara as restrições foi publicada no último sábado (27)  na forma da Portaria 660, que substitui a Portaria 658, de 05 de outubro de 2021.

A decisão, que considera mudanças nas restrições excepcionais e temporárias de entrada no Brasil durante a pandemia, também suspende, de forma temporária, a autorização de embarque para o país de viajante estrangeiro, procedente ou com passagem, nos últimos quatorze dias antes do embarque, por esses países.

Segundo o documento, a exceção se aplica aos seguintes casos:

  • estrangeiro com residência de caráter definitivo, por prazo determinado ou indeterminado, no território brasileiro
  • profissional estrangeiro em missão a serviço de organismo internacional, desde que identificado
  • funcionário estrangeiro acreditado junto ao Governo brasileiro
  • estrangeiro: a) cônjuge, companheiro, filho, pai ou curador de brasileiro b) cujo ingresso seja autorizado especificamente pelo governo brasileiro em vista do interesse público ou por questões humanitárias c) portador de Registro Nacional Migratório
Leia Também:  Suzano investirá R$ 48 milhões na melhoria da infraestrutura, segurança pública, saúde, educação e habitação de Ribas do Rio Pardo

A decisão tem como base o parecer da Anvisa recomendando as restrições como forma de conter a propagação da variante Ômicron, e avaliação técnica dos ministérios da Saúde, Justiça e Segurança Pública, Infraestrutura e Casa Civil.

Além do Brasil, ao menos 38 países também implementaram medidas de restrição total ou parcial aos voos provenientes de países do sul da África.

Variante Ômicron no Brasil

Atualmente, casos da nova variante do coronavírus já foram detectados em ao menos 14 países. No Brasil, um passageiro que chegou ao Aeroporto de Guarulhos vindo da África do Sul no sábado (27) e testou positivo para a Covid-19 está sob quarentena no momento.

A amostra positiva para a Covid-19 será analisada e passará por sequenciamento genômico no Instituto Adolfo Lutz, vinculado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Até o momento, não há registros de casos da nova variante no Brasil.

O que se sabe sobre a Ômicron

A cepa foi relatada pela primeira vez à OMS pela África do Sul no dia 24 de novembro. A situação epidemiológica no país mostrou três picos distintos de casos de Covid-19, sendo o último predominantemente pela variante Delta.

Leia Também:  Pix Saque e Pix Troco estão disponíveis a partir de hoje

Nas últimas semanas, as infecções aumentaram de forma abrupta, coincidindo com a detecção da nova variante. De acordo com a OMS, o primeiro caso de Covid-19 confirmado conhecido foi de uma amostra coletada em 9 de novembro de 2021.

“Esta variante apresenta um grande número de mutações, algumas das quais preocupantes. A evidência preliminar sugere um risco aumentado de reinfecção com esta variante, em comparação com outras variantes de preocupação”, informou a OMS em um comunicado.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

SELVÍRIA

ACONTECEU

MATO GROSSO DO SUL

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA